Crédito

Consolidação de créditos: Saiba o que fazer com a poupança gerada

O crédito consolidado pode ser uma solução eficaz para quem procura reduzir os encargos mensais e ganhar uma folga extra. Saiba como neste artigo.

Adriana Cabrita Adriana Cabrita , 13 Fevereiro 2020 | 2 Comentários

A consolidação de créditos pode gerar poupanças significativas, que lhe permitem investir no futuro. Neste artigo, vamos explicar-lhe como funciona e dar-lhe pistas de como poderá usar as poupanças geradas.

O que é um crédito consolidado?  

A consolidação de créditos é juntar todos os créditos que tem – como o crédito automóvel, cartões de créditos e outros créditos ao consumo - num só. Esta opção dá-lhe acesso a taxas de juro mais acessíveis, quando comparado com a taxa de juro média dos seus empréstimos. Além disso, tem uma única prestação, paga num único dia, em vez de ter várias prestações a caírem na sua conta ao longo do mês.

Por outro lado, quando consolida créditos, o prazo do novo financiamento é, por regra, maior.

Em suma, o crédito consolidado é um crédito pessoal que lhe permite liquidar todos os outros créditos, sem piorar as condições atuais, muito antes pelo contrário. 

Com esta consolidação é possível reduzir as suas despesas mensais e usar esse orçamento de forma a gerar mais poupança.

Leia ainda: Crédito Consolidado: Vantagens e Desvantagens

A consolidação de crédito está ao alcance de todos?

Não. O crédito consolidado não é para quem deixou de conseguir pagar as prestações. Na verdade, quem tiver entrado em incumprimento com uma instituição financeira e tenha o seu nome na chamada "lista negra" do Banco de Portugal não pode recorrer à consolidação de crédito. Nestes casos, as pessoas que entraram em incumprimento terão de renegociar os seus empréstimos diretamente com a instituição e regularizar a sua situação. Só depois disso, e de verem o seu nome sair da lista do Banco de Portugal, poderão recorrer novamente a financiamento.

Já para as outras pessoas, que tenham mais do que um empréstimo, esta solução é uma opção a ter em conta, uma vez que, tal como referido anteriormente, pode gerar poupanças significativas.

O que fazer com a poupança do meu crédito consolidado? 

Cada caso será diferente, pelo que o nível de poupança conseguida também dependerá da situação. Mas o importante é ter presente que a consolidação vai sempre resultar em poupança e o passo a seguir é definir o que pode fazer com ela. Deixamos aqui algumas dicas para aplicar esse montante: 

Casa-a-fazer-orçamento-familiar
  • Reequilibre o seu orçamento familiar e crie um fundo de emergência: A maior vantagem em consolidar os créditos é voltar a ter alguma flexibilidade financeira que lhe permita recuperar o equilíbrio das suas finanças. Aproveite a poupança que vai conseguir com esta consolidação para trazer alguma estabilidade para a sua carteira. O dinheiro que poupar vai ser essencial para criar um fundo de emergência para eventuais necessidades - despesas de saúde, do carro ou qualquer outro evento inesperado - ou até mesmo para recuperar alguns bens essenciais que teve de cortar das suas despesas mensais, como por exemplo o seguro de saúde. Aconselhamos a que faça um planeamento e que seja consciente no destino deste dinheiro, para evitar assim uma possível situação de incumprimento
  • Amortize, amortize, amortize: Com a folga financeira que vai obter, coloque uma parte de lado para amortizar o seu crédito consolidado. Ao fazê-lo, conseguirá livrar-se desta dívida mais rapidamente e diminuir bastante o total de juros pagos. Desta forma, deixamos apenas a chamada de atenção para que verifique as cláusulas relativas à amortização de cada um dos créditos que possui, pois, em alguns casos, amortizar traz custos associados, como por exemplo o pagamento de comissões;  
  • Invista num seguro de saúde e/ou de vida: Numa situação financeira crítica, o seguro de saúde é quase sempre considerado como uma despesa não fundamental e uma das primeiras a ser eliminada. Contudo, as possíveis consequências da desistência deste tipo de serviço podem revelar-se mais pesadas para a carteira do que se tivesse mantido o serviço apesar das dificuldades, pois um imprevisto de saúde que implique o pagamento de uma operação ou de um exame mais caro pode deixá-lo numa situação ainda mais frágil. Desta forma, sugerimos que este seja um dos primeiros objetivos para a poupança que conseguir com o seu crédito consolidado. Apostar na sua saúde não é uma despesa, mas sim um investimento; 
  • Invista em produtos de poupança: Se pretende colocar essa poupança a render, existem alguns produtos onde pode investir o seu dinheiro, tais como: depósitos a prazo, títulos de tesouro, aplicações das seguradoras com capital garantido, entre outros produtos com um grau de risco reduzido. Como a quantidade de produtos financeiros é vasta, aconselhamos a que,  antes de aplicar o seu dinheiro, procure saber o máximo de informação possível e, se necessário, peça ajuda de um especialista. Desta forma assegura que está a realizar um investimento ajustado ao seu caso pessoal, percebendo o tipo de risco que pretende assumir e consequentemente a rentabilidade que pretende atingir; 
  • Realize os seus sonhos: Porque não é só de juntar dinheiro que se faz a vida... pode também poupar dinheiro para concretizar algum velho sonho. Depois de ter as suas finanças pessoais equilibradas, pondere utilizar parte da poupança para apostar na sua formação ou até mesmo usufruir de alguns prazeres, sejam eles uma viagem, umas férias ou algo que sempre sonhou ter. Não existe mal em tirar prazer do nosso dinheiro, desde que este seja ponderado e não interfira com o seu bem-estar económico. 

Leia ainda: 10 formas essenciais e eficazes de poupar dinheiro em 2020

Que cuidados devo ter depois de consolidar os meus créditos? 

O segredo é não ceder à tentação. Deve mesmo tomar uma atitude consciente e evitar pedir mais financiamento. Por isso, e para ajudá-lo nesta missão, é essencial que:  

carteira de senhora
  • Controle os seus gastos – Não olhe para o crédito consolidado como uma oportunidade para gastar, mas sim para poupar mais. Esta é uma oportunidade que vai ter para equilibrar as suas finanças. Com esta poupança vai conseguir fazer face a algum imprevisto que possa surgir, sem ter que recorrer a mais crédito. Uma outra grande ajuda, e que nem sempre é valorizada, é planear o seu orçamento familiar todos os meses. Assim sentirá que tem tudo sob controlo. 
  • Não recorra a mais crédito (inclusive a cartões de crédito) - É muito comum, após a consolidação dos créditos, os cartões de crédito ficarem fora da equação, uma vez que as pessoas não os veem como um crédito propriamente dito. Mas enganam-se! São muitas vezes os cartões de crédito, que sem se aperceber, o podem levar ao endividamento e a possíveis incumprimentos. E não falamos apenas daqueles que tem associados ao seu banco, falamos também nos cartões de superfícies comerciais que parecem inofensivos, mas que não passam de mais créditos. Por isso, aconselhamos a ter sempre muita atenção ao que está a contratar. 

Leia ainda: O que não deve fazer quando consolida os seus créditos

Poupanças podem ascender a 60%

A dimensão da poupança dependerá sempre do caso em concreto. Mas é possível reduzir os encargos de forma considerável. Em alguns casos a poupança supera mesmo os 60%, ainda que, este valor não seja o habitual.

Conseguimos exemplificar os benefícios através de um caso real, de forma a perceber melhor o que se consegue ao "arrumar" a carteira.

A Mafalda e o Luís (nomes fictícios) tinham empréstimos no total de 87.219,06€, incluindo habitação. Este montante representava uma taxa de esforço de 72% - ou seja, mais de 70% do rendimento do casal estava alocado ao pagamento de financiamento.

Neste caso, uma vez que as suas condições no crédito habitação eram competitivas (com um spread de 0,2%), optaram por manter este financiamento fora do “pacote” consolidação. Assim, agruparam os restantes empréstimos, num total de 66.700€. O encargo mensal que tinham com estes financiamentos dispersos por várias entidades financeiras era de 1.557,89 euros. Depois da consolidação conseguiram gerar uma poupança de 33%, com a prestação a descer para 1.031,07€.

Com uma poupança anual superior a 6.000€ este casal conseguiu amortizar os seus empréstimos e criar uma poupança.

Como posso saber se o crédito consolidado é uma mais valia para mim? 

Simule. Hoje em dia, com o avanço tecnológico, tem tudo à distância de um clique. Em vez perder tempo a deslocar-se a todas as entidades financeiras da sua zona, pode fazer simulações online, tornando todo o processo mais fácil, cómodo e rápido. 

Antes de avançar com a contratação de um crédito, seja ele consolidado ou de outra natureza, deve sempre fazer mais do que uma simulação e comparar. Através desta simulação vai perceber quanto pode poupar, qual a nova taxa de juro, o prazo e a prestação final.  

Além disso, atualmente tem ainda a opção de recorrer a um intermediário financeiro e isso não tem qualquer custo. Pode expor o seu caso e o intermediário encontra a solução que melhor se adapta ao seu caso. E de forma gratuita, uma vez que quem paga a estes agentes são as próprias instituições financeiras.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)

8 comentários em “Consolidação de créditos: Saiba o que fazer com a poupança gerada

    1. Olá, Maria.

      Por favor, clique na opção desejada no menu “Como podemos ajudar?” e preencha o formulário correspondente dessa página, com os dados do seu caso concreto.
      Em alternativa, preencha o formulário geral de contacto, cuja ligação pode encontrar no rodapé de qualquer página do portal do Doutor Finanças.

      Em qualquer caso, e após análise dos dados que indicar, será depois contactada por um especialista do Doutor Finanças para responder ao seu caso concreto.