Investimentos

A preparação de uma empresa para entrar em bolsa

Ao entrar em bolsa, uma empresa assume um compromisso pautado por transparência e constante partilha de informação com os acionistas.

Investimentos

A preparação de uma empresa para entrar em bolsa

Ao entrar em bolsa, uma empresa assume um compromisso pautado por transparência e constante partilha de informação com os acionistas.

Estar cotada em bolsa permite a uma empresa obter financiamento, ter mais visibilidade e aumentar a sua liquidez. No entanto, entrar em bolsa não é uma tarefa fácil. O processo requer preparação e exige o cumprimento de alguns requisitos. 

“As empresas que têm maior potencial de crescimento e precisam de capital para fazer esse crescimento são aquelas que normalmente procuram a bolsa”, explicou Isabel Ucha, CEO da Euronext Lisbon, a empresa que gere a bolsa de valores, durante a sua entrevista no Conversas sem Preço

No entanto, a responsável afirma também que há uma série de critérios a cumprir e nem todas as empresas sentem a necessidade de passar pelo processo. “É um caminho que exige muita profissionalização, divulgação de informação, exposição, algumas exigências que nem todas as empresas sentem essa necessidade”, afirma.  

Para uma empresa estar na bolsa tem de cumprir requisitos como

  • Ter as contas auditadas anualmente; 
  • Publicar relatórios e contas semestralmente; 
  • Divulgar a informação que pode ter influência sobre o preço das ações; 
  • Manter o diálogo com os investidores.  

Entrar na bolsa de valores implica ainda custos de admissão e de manutenção, que vão variar de acordo com a dimensão da empresa e a forma de entrada.  

Apesar de o mercado proporcionar às empresas cotadas um maior acesso a financiamento - fomentando o seu crescimento -, ainda há muitas que optam por não ter de passar por todo este processo. Ao entrar em bolsa, uma empresa assume um compromisso pautado por transparência e constante partilha de informação com os acionistas.  

Além disso, existem atualmente muitas outras fontes de financiamento alternativas, como o crédito bancário e o capital privado.  

“As empresas têm tido fontes de financiamento alternativas muito abundantes relativamente há 20 ou 30 anos. Designadamente o crédito bancário que desde a crise financeira de 2008 é extraordinariamente abundante e muito barato”, aponta Isabel Ucha.  

Mas, na opinião da responsável, recorrer ao mercado de capitais é uma vantagem para as empresas portuguesas. "O que nós estamos a ver acontecer é que muitas boas novas empresas não fazem este caminho e acabam por ser compradas por multinacionais e passados alguns anos ou já não existem ou já não são portuguesas”. 

“O mercado também tem essa vantagem porque permite ancorar as empresas no seu país de origem”, conclui.  

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #bolsa de valores,
  • #empresas,
  • #mercado de capitais
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe uma resposta

Insira o seu nome

Insira um email válido