Finanças pessoais

Vai sair de casa dos pais? Guia para poupar na nova fase da sua vida

Sair de casa dos pais implica uma adaptação financeira. No entanto, existem dicas de poupança que o podem ajudar. Conheça-as neste guia.

Finanças pessoais

Vai sair de casa dos pais? Guia para poupar na nova fase da sua vida

Sair de casa dos pais implica uma adaptação financeira. No entanto, existem dicas de poupança que o podem ajudar. Conheça-as neste guia.

Nos últimos tempos, muito se tem falado sobre a dificuldade que os jovens portugueses sentem na concretização do plano de sair de casa dos pais. Afinal, Portugal é o quinto país da União Europeia onde os jovens saem mais tarde de casa dos pais.

Embora existam diversos fatores que explicam esta demora, a falta de condições financeiras para dar este passo é uma das principais razões para os jovens permanecerem em casa dos pais. Mesmo quando as condições mínimas estão reunidas, a fase de adaptação também pode ser fácil.

Na realidade, viver sozinho implica assumir inúmeras responsabilidades e gerir um orçamento de forma estratégica para que o dinheiro chegue até ao fim do mês. E quando não existe experiência em lidar com este tipo de obrigações e encargos, é normal que se cometam alguns erros.

Contudo, quanto mais cedo aprender a gerir o seu dinheiro e a criar hábitos de poupança, mais probabilidades tem de alcançar uma vida financeira estável. Assim, se vai sair de casa dos seus pais brevemente e está preocupado com todas as despesas e responsabilidades que vai assumir, este guia de poupança pode ajudá-lo.

Guia de poupança para quem vai sair de casa dos pais

Poupar no consumo da água

A primeira coisa que deve ter em atenção, ao sair de casa dos seus pais, é que os "maus hábitos" passam a representar faturas elevadas. No entanto, muitos jovens ainda não têm noção do peso que as contas da água, eletricidade e gás têm no orçamento familiar. E, na hora de irem viver sozinhos, podem ser surpreendidos com os valores das faturas mensais.

Dito isto, se quer poupar neste tipo de despesas, o mais importante é implementar "bons hábitos" de consumo. Por exemplo, para poupar na fatura da água, deve:

  • Fechar as torneiras sempre que não seja necessário a água estar a correr: Por exemplo, quando lava os dentes, as mãos, loiça, roupa, não precisa que a torneira esteja sempre a deitar água.
  • Instale redutores de caudal: Se instalar redutores de caudal nas torneiras e chuveiros, pode reduzir consideravelmente a sua fatura anual da água. Os estudos indicam que os redutores de caudal podem ajudar a poupar cerca de 40% de água anualmente.
  • Esteja atento às torneiras e veja se pingam: Seja por não ter fechado bem ou por ter folga, uma torneira a pingar constantemente gera faturas elevadas. De acordo com a EPAL, uma torneira a pingar pode representar um desperdício anual de cerca de 6000 litros de água.
  • Aproveite bem a água: Se colocar um balde por baixo da torneira quando a água do duche está a aquecer, essa água não é desperdiçada, e pode ser usada para lavar o chão, regar plantas ou até lavar o seu carro.
  • Utilize simuladores para perceber onde desperdiça mais água.

Como diminuir a fatura da eletricidade

As faturas da eletricidade dependem muito dos nossos hábitos de consumo, da tarifa que escolhemos e até da época do ano. No inverno, o valor das suas faturas pode subir devido à quebra de luz natural e ao uso de aparelhos elétricos para o aquecimento da casa.

Contudo, existem algumas dicas que podem ajudá-lo a poupar, nomeadamente:

  • No inverno, tente maximizar a exposição solar, levantando os estores e abrindo os cortinados. A sua casa terá mais luz e não ficará tão fria;
  • no verão, evite a entrada de raios solares durante o dia. Não se esqueça de abrir as janelas durante a noite em lados opostos da casa para facilitar a ventilação.
  • Na hora de escolher a decoração, cuidado com os candeeiros. Por exemplo, candeeiros opacos obrigam a colocação de lâmpadas mais potentes para aumentar a luminosidade, o que implica um aumento do consumo.
  • Opte por lâmpadas economizadoras que consomem menos energia. A escolha das lâmpadas deve ser ponderada de acordo com a necessidade de iluminação de cada divisão.
  • Evite deixar aparelhos em stand-by ou ligados à corrente. Para ajudá-lo nesta tarefa, compre fichas com botão de on e off. Desta forma não tem que estar constantemente a tirar fichas da tomada.
  • Escolha bem o seu operador e considere a melhor tarifa para si, consoante o tempo que está em casa. Utilize o site da ERSE para perceber qual o melhor operador de acordo com as suas necessidades.
  • Na hora de comprar eletrodomésticos, considere a etiqueta energética;
  • Por fim, use os eletrodomésticos corretamente e otimize as suas tarefas domésticas. Não abra as portas do forno e do frigorífico sem necessidade. Se vai passar a ferro, junte o máximo de roupa possível.

Gás natural ou botija? Existem sempre formas de poupar

Os hábitos de consumo em relação ao gás também assumem um papel preponderante no preço a pagar mensalmente. Contudo, existem pequenos pormenores aos quais deve estar atento, de forma a poupar um valor anual significativo.

Dito isto, sugerimos que:

  • Opte por banhos rápidos e evite ao máximo banhos de imersão;
  • Escolha o bico do fogão adequado às frigideiras, panelas e tachos;
  • Use as tampas dos tachos e panelas, pois sem estas o consumo de energia e gás é mais elevado;
  • Sempre que possível dê uso à sua panela de pressão, pois reduz o tempo de confeção dos alimentos e ajuda-o a poupar no gás;
  • Se tem gás natural em sua casa, informe-se sobre as tarifas e use simuladores para escolher a melhor tarifa e fornecedor para si;
  • No verão reduza a temperatura do esquentador;
  • Se tem gás de botija, esteja atento às promoções e compare os preços das várias marcas.
Mulher na cozinha com a porta do frigorífico aberta

Como poupar na alimentação ao sair de casa dos pais

Quando sair de casa dos seus pais vai perceber que a alimentação tem um custo superior ao que, provavelmente, imaginava. Regra geral, pequenas compras para repor alguns produtos e alimentos rondam os 30 euros. Assim, se o seu orçamento estiver "apertado", deve ter cuidado com as suas escolhas no supermercado.

Por exemplo, uma boa estratégia para poupar dinheiro na sua alimentação é organizar a sua ementa semanal. Além de ajudá-lo a ter uma alimentação mais saudável, evitando cair em tentações, permite-lhe comprar apenas os ingredientes necessários.

Outra estratégia que pode implementar passa por nunca ir ao supermercado sem uma lista de compras. Embora pareça um excesso de zelo, ter uma lista evita compras desnecessárias, caras ou por impulso. Mas, antes, confirme o que tem na despensa, frigorífico e congelador.

Além destas duas dicas, tenha atenção a outras situações, como por exemplo:

  • Procure os supermercados mais baratos perto de si ou os que fazem as melhores campanhas promocionais;
  • Esteja atento a descontos e promoções de produtos e alimentos que tem mesmo de comprar. No entanto, evite comprar produtos em promoção que não usa com regularidade ou só porque estão a um preço atrativo.
  • Evite ir ao supermercado quando está com fome, pois as probabilidades de compras por impulso aumentam;
  • Leve sacos reutilizáveis para as suas compras;
  • Se o seu orçamento é bastante limitado, não tenha vergonha de usar a calculadora do telemóvel. Desta forma, garante que não ultrapassa o orçamento estipulado;
  • Compre frutas e legumes da época;
  • Se gosta de cozinhar, opte por confecionar alguns alimentos em casa como pão, bolos, biscoitos e sobremesas saudáveis.
  • Aproveite as sobras de comida para fazer novas receitas;
  • Utilize corretamente o frigorífico para evitar estragar alimentos.

Automóvel: algumas dicas para diminuir gastos

Caso tenha automóvel ou pretenda adquirir um, saiba que consoante o uso que lhe der, as despesas podem ser mais ou menos elevadas. Por exemplo, para quem conduz diariamente e percorre vários quilómetros, o valor mensal que gasta em combustível, estacionamento, portagens, é bastante significativo.

Por outro lado, todos os automóveis têm custos diferentes com a manutenção e avarias. A estas despesas, somam-se ainda a inspeção do carro, o seguro e o Imposto Único de Circulação, IUC.

Como pode diminuir estes gastos? No fundo, fazendo escolhas de acordo com o seu orçamento e adotando boas práticas.

Ou seja, na hora de abastecer, pondere se vale a pena optar por combustíveis "low cost". Hoje em dia, estes combustíveis cumprem todos os requisitos obrigatórios e são mais baratos. Outro fator a ter em conta é o preço praticado em cada posto de abastecimento. Por vezes, vale a pena percorrer mais alguns quilómetros para abastecer, se o preço praticado for mais baixo.

Se tem mesmo que deslocar-se de carro diariamente, o tipo de condução que faz pode ajudá-lo a poupar no combustível. Ao conduzir com uma velocidade constante, evitando travagens e acelerações bruscas, poupa combustível. Sempre que possível evite usar o ar condicionado.

Não se esqueça de ter a manutenção em dia, pois pequenas avarias podem gerar consumos mais elevados.

Por fim, tenha atenção na hora de escolher o seu seguro automóvel. Existe uma vasta oferta de seguros automóveis, e é fundamental que faça simulações para encontrar a melhor solução para si e para a sua carteira.

Informe-se sobre os serviços financeiros que usa

No que diz respeito a serviços financeiros, como contas bancárias e cartões de crédito, estar bem informado pode gerar uma poupança significativa anualmente.

Imagine que vai abrir uma conta bancária. Se não ponderar bem os custos da anuidade e das manutenções de conta, pode acabar por gastar mais dinheiro do que pensava. Atualmente, existem poucos bancos que não cobram qualquer tipo de comissão aos seus clientes. No entanto, ainda existem algumas entidades que o fazem.

Além das contas bancárias isentas de comissões, estude a hipótese de ter uma conta de serviços mínimos bancários. Caso nenhuma destas hipóteses seja atrativa para si, compare as comissões cobradas por cada banco, e veja qual é a melhor solução para o que procura.

Já se estiver a pensar em ter um cartão de crédito, lembre-se que a utilização deve ser feita de forma consciente e informada. Em primeiro lugar, tenha cuidado com os pagamentos da fatura em várias parcelas, pois os juros são elevados. Depois, analise se o seu cartão de crédito tem um seguro associado e quanto é que o seu banco cobra de comissões.

Ler mais: Saiba como gerir melhor os seus cartões de crédito

Cuidados a ter com os impostos ao sair de casa dos pais

Para os jovens que nunca lidaram com impostos, este tipo de responsabilidade pode trazer alguma frustração inicialmente. Afinal, atrasar-se com as suas obrigações fiscais e declarativas, pode gerar coimas e, na maioria das vezes, os valores não são insignificantes.

Dito isto, existem algumas dicas que o podem ajudar a poupar no IRS, mas também em outras obrigações, como por exemplo:

  • Pedir sempre faturas com o seu número de contribuinte;
  • Confirmar e aprovar regularmente as suas despesas e deduções no portal e-fatura;
  • Estar a par da possibilidade de isenção nos impostos que paga;
  • Ter um calendário com as suas obrigações declarativas e fiscais, de forma a evitar esquecimentos e pagamentos de coimas;
  • Se tiver dúvidas a preencher as suas obrigações declarativas, consulte os manuais disponíveis no site das Finanças e da Segurança Social.

Ler mais: Cuidados a ter com o IRS automático

Não se esqueça: Também é possível poupar no lazer

O lazer é fundamental para a nossa felicidade. Afinal, é fora do trabalho que conseguimos conviver com amigos, fazer atividades que nos dão prazer e nos permitem evoluir.

Contudo, quando o orçamento é apertado, o ideal é definirmos um montante no nosso orçamento familiar para gastar em lazer. Esta é uma forma prática e segura de não gastarmos mais do que aquilo que podemos suportar.

Por fim, pode sempre implementar algumas práticas que o ajudam a diminuir alguns custos, como:

  • Aderir a aplicações que lhe permitem ter descontos em restaurantes;
  • Ler e-books em bibliotecas online;
  • Procurar ginásios com campanhas promocionais ou mensalidades low-cost;
  • Estar informado sobre os vários eventos culturais gratuitos;
  • Planear as suas férias e escapadinhas com bastante antecedência.

Lembre-se que esta é uma fase de adaptação e é natural que tenha que fazer algum esforço financeiro para gerir o seu orçamento mensalmente. Mas se conseguir tornar muitas destas dicas em hábitos, conforme os seus rendimentos vão aumentando, terá uma folga financeira maior.

Não se esqueça que todos os meses deve tentar poupar algum dinheiro. A forma mais simples de fazê-lo é através de uma poupança automática. Olhe para o seu orçamento e defina um valor que se sente confortável a poupar todos os meses. Este é o primeiro passo para criar um fundo de emergência, que é o seu pé de meia para lidar com imprevistos e com possíveis quebras de rendimento.

Ler mais: Comprar casa aos 30: Será que tem as condições para dar este passo?

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.