Esta semana, na Dica do Doutor, falamos de fundos de investimento. Se está a pensar aplicar o seu dinheiro neste tipo de solução, fique a conhecer alguns riscos a que deve estar atento.

Os fundos de investimento são uma das propostas que os bancos habitualmente fazem quando têm clientes a solicitar soluções de investimento para aplicar o seu dinheiro.

Trata-se de uma classe de ativos financeiros em que é captado o dinheiro de diversos investidores, sendo esse dinheiro gerido por uma equipa de gestão que realiza diversas aplicações financeiras cumprindo os critérios de risco e rentabilidade prevista no regulamento de gestão do fundo e indo de encontro à estratégia definida para esse produto.

Assim, os investidores passam ser detentores de unidades de participação em fundos que podem ser mobiliários ou imobiliários, abertos ou fechados. Desta forma, escolher o tipo de fundo de investimento em que pretende investir deve ser feito de forma cautelosa e conhecendo bem as vantagens e os riscos em que iremos assumir.

5 riscos que deve considerar se vai subscrever um fundo de investimento

  1. Os fundos não têm capital nem taxas garantidas, ou seja, existe o risco de não obter rendimentos com este investimento, podendo mesmo perder parte do capital investido.
  2. A rentabilidade de um determinado fundo no passado, não garante que o mesmo produto vá ter rentabilidade futura.
  3. Nos fundos mobiliários, existe a possibilidade de desvalorizações dos ativos (obrigações, ações, ouro, cambiais ou outros investimentos escolhidos pela equipa de gestão para a composição do fundo) e nesse caso, podem ocorrer desvalorizações na carteira e consequente perda de parte do capital investido.
  4. Os fundos imobiliários têm imóveis arrendados na carteira do fundo, se existirem perdas de imóveis arrendados ou descida, por negociação, no valor das rendas ou até desvalorização do valor dos imóveis que constituem o fundo, qualquer uma destas situações pode implicar perda de parte do capital investido.
  5. Quando dá ordem de resgate de parte ou da totalidade do investimento deve ter em conta que não conhece o valor de venda da unidade de participação, pois não é considerado o valor da unidade do próprio dia, mas sim o valor do dia seguinte, ou outro dia que se encontre definido no regulamento de gestão do fundo.

A Dica do Doutor

Antes de subscrever um fundo de investimento existem três pontos a que deve estar atento, nomeadamente a comissão de subscrição, a comissão de resgate ou a comissão de gestão. Todas estas comissões são custos a que deve estar atento e que podem fazer a diferença na escolha de um determinado fundo em detrimento de outro.

Para além dos custos associados ao fundo que pretende subscrever deverá saber que todos os fundos são obrigatoriamente registados na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Esta é a entidade que regula os fundos de investimento em Portugal e que obriga a que todos os fundos tenham o regulamento de gestão e o prospeto informativo. Esta consulta poderá também ser determinante na tomada de uma decisão fundamentada e informada do investimento que lhe propuseram, dos objetivos e política de investimento do fundo, dos custos associados e dos riscos previsíveis.

Se está a pensar subscrever um fundo de investimento, sugerimos ainda a leitura do artigo “Sabe o que são fundos de investimento?”. Aqui poderá encontrar informação sobre os diferentes fundos que existem e a vantagens deste tipo de investimento. Um investimento informado será sempre um melhor investimento.