Os fundos de investimento são uma das propostas dos bancos para pessoas que dispõem da possibilidade e vontade de investir determinados montantes. Neste artigo, explicamos-lhe o que são, as vantagens, os riscos e cuidados que deve ter se optar por este tipo de investimento.

Cada vez mais, as propostas de investimento dos Bancos passam pela subscrição de fundos de investimento. Mas será que conhece o suficiente desta classe de ativos financeiros?

Os fundos de investimento são instrumentos financeiros, que captam dinheiro dos investidores e em que a equipa de gestão investe o dinheiro captado cumprindo a estratégia definida para o fundo. Os investidores passam a ser detentores de unidades de participação (UP) do fundo correspondentes ao valor investido. As up´s são cotadas diariamente, permitindo aos investidores acompanharem a evolução do seu investimento.


Existem fundos mobiliários, em que os ativos em carteira são constituídos maioritariamente por depósito a prazo, obrigações (taxa variável e/ou fixa), up´s de outros fundos, ações e outros tipos de valores mobiliários e os fundos imobiliários, sendo os ativos destes fundos constituídos maioritariamente por imóveis.
Existem ainda fundos abertos, em que os subscritores podem subscrever e resgatar as up´s sempre que pretendam e fundos fechados em que só é possível subscrever na data de início do fundo e o resgate coincide com o final do produto, ou seja, os fundos fechados têm data inicio e data fim programadas, enquanto que os fundos abertos perduram no tempo e admitem subscrições e resgates a qualquer momento.

Vantagens dos fundos de investimento

1 – O facto de terem uma equipa de gestão ativa, permite que o fundo possa comprar e vender ativos financeiros ajustados com o momento do mercado financeiro e, dessa forma, tentar obter melhor rentabilidade.
2 – Permitem aos investidores adquirir instrumentos financeiros de forma mais barata do que se fossem adquiridos diretamente no mercado financeiro.
3 – Permitem maior grau de diversificação (uma das boas práticas para o investimento).
4 – Antes da subscrição, o investidor conhece os custos de subscrição (tradicionalmente denominada comissão de subscrição), de resgate (comissão de resgate), os rácios e tipologia de ativos que irão constituir a carteira do fundo ao longo do tempo.
5 – De acordo com o risco e rentabilidade que o investidor pretende assumir, existem centenas de opções que se pode escolher, entre fundos geridos em Portugal e fundos estrangeiros.
6 – Em muitos casos, especialmente nos fundos geridos e comercializados pelas seguradoras (normalmente denominados unit linked) e nos fundos imobiliários, pode obter um regime fiscal mais favorável.
7 – Os pequenos investidores podem aceder a mercados e produtos financeiros que de uma forma direta não conseguiriam, atendendo aos montantes elevados que são necessários para investir diretamente.

Riscos associados aos fundos de investimento

1 – Quase todos os fundos de investimento não têm capital nem taxas garantidas.
2 – As rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras.
3 – Com as potenciais desvalorizações dos ativos em carteira dos fundos mobiliários (obrigações, ações, ouro, petróleo, cambiais, entre outros) podem ocorrer desvalorizações e consequente perda do capital investido no fundo.
4 – Os fundos imobiliários, com perdas ou descidas de eventuais rendas que existam nos imóveis dos fundos ou com desvalorização dos preços dos imóveis, podem implicar perdas de capital investido.
5 – Quando se dá ordem de resgate de parte ou da totalidade do investimento feito, não se conhece o valor de venda das up´s, uma vez que não é considerado o valor da up do dia, mas sim o do dia seguinte, ou outro dia que se encontre definido no regulamento de gestão do fundo.

Adicionalmente a esta informação, deverá saber que existem fundos de distribuição e fundos de capitalização, isto é, os fundos de distribuição têm uma determinada distribuição da rentabilidade obtida paga ao investidor em datas definidas, enquanto que os fundos de capitalização vão incorporando as mais ou menos valias no valor das up´s e o investidor só assegura algum retorno quando dá ordem de venda parcial ou total do investimento.

Outra informação que deverá conhecer na altura da tomada de decisão são as comissões do fundo:

1 – Comissão de subscrição – Custo que é cobrado para poder subscrever as up´s correspondentes ao investimento que pretende fazer, se houver (muitos Bancos e Sociedades Gestoras não cobram), esse custo é deduzido ao seu valor inicial de investimento.
2 – Comissão de resgate – Custo que é cobrado para resgatar o seu investimento. Especialmente em fundos fechados, esta comissão pode variar, de acordo com o tempo decorrido.
3 – Comissão de gestão – Custo que é diluído na rentabilidade anual do fundo e que serve para suportar os custos de gestão do fundo (equipa de gestão, compra e venda de ativos financeiros).

Todos os fundos comercializados têm de estar registados na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários ( CMVM) – entidade que regula os fundos de investimento em Portugal – que obriga a que todos os fundos tenham o regulamento de gestão e o prospeto informativo, que o ajudará a tomar uma decisão fundamentada e informada do investimento que lhe propuseram, dos objetivos e política de investimento do fundo, dos custos associados e dos riscos previsíveis.
Se pretender, e aconselhamos que o faça, pode consultar no site da CMVM, o relatório contas semestrais e anuais do fundo, bem como a composição mensal do fundo e a quantidade de up´s que se encontram comercializadas.
Quando equacionar a subscrição de um fundo de investimento, aconselhamos que tenha sempre presente que as rentabilidades passadas não são garantia de rentabilidades futuras, que deverá analisar bem a tipologia de ativos que existirão no fundo que pretende subscrever e perceber os riscos e potencial de valorização existente, analise os risco e vantagens do fundo e tome uma decisão consciente.
Aconselhamos a consulta a um intermediário financeiro devidamente credenciado, que o possa ajudar a verificar os prós e os contras do investimento, bem como os riscos e vantagens associados.

Subscreva fundos de investimento, mas com a plena consciência de onde está a colocar o seu dinheiro.