Crédito

Vai comprar uma casa de férias? O que deve ter em conta antes de decidir

Uma casa de férias é o seu próximo investimento? Conheça algumas das situações a ter em conta antes de fechar negócio.

Crédito

Vai comprar uma casa de férias? O que deve ter em conta antes de decidir

Uma casa de férias é o seu próximo investimento? Conheça algumas das situações a ter em conta antes de fechar negócio.

Os portugueses pensam em comprar uma casa de férias pelas mais variadas razões: desde ser um sonho antigo por concretizar, à comodidade de poder estar perto da praia no verão, ou simplesmente para "fugir à vida frenética" das grandes cidades.

No entanto, a compra de uma casa de férias requer um investimento considerável. Por isso, existem aspetos que deve considerar antes de fechar negócio. Conheça, neste artigo, alguns cuidados a ter e o que deve evitar.

Defina e conheça o seu orçamento

Antes de começar a procurar a sua casa de férias, é necessário definir um orçamento. Atualmente, pode estar a sonhar com uma casa com piscina e com fácil acesso à praia, mas esse cenário pode não encaixar no seu orçamento. Seja pela sua taxa de esforço, ou até mesmo outras despesas além da compra da casa, como mobílias, utensílios, entre outros. Por isso, deve procurar casas que se encontrem dentro do seu orçamento. Caso contrário, pode colocar-se numa situação financeira sem margem para imprevistos.

Leia ainda: Comprei uma casa, e agora? O que muda na gestão do orçamento

Utilização suficiente para compensar o investimento

Segundo os operadores do mercado imobiliário, a poupança e juros baixos facilitaram a aquisição de casas para segunda habitação, tendo acelerado durante a pandemia. Mesmo assim, antes de avançar com qualquer negócio, deve considerar se, realmente, vai utilizar a sua casa de férias o suficiente, de forma a compensar o investimento. Por exemplo, se não tem grande disponibilidade ou tem maior dificuldade em viajar, talvez compense pagar por estadias pontuais, em vez de despender uma quantia tão elevada na compra de uma habitação. Por isso, se vai investir tanto dinheiro numa habitação secundária, deve ser um lugar que tem intenção de visitar frequentemente.

Situações de emergência na casa de férias

Infelizmente, as situações de emergência não têm dias nem locais marcados. Por esta razão, se acontecer algo urgente na sua casa de férias, deve ter alguém de confiança que possa intervir. Caso contrário, se não tiver ninguém, a sua casa de férias corre sérios riscos de danos graves e dispendiosos. Por exemplo, se rebentar um cano ou se deflagar um incêndio, quem vai rapidamente ajudar? Da mesma forma, se for necessária alguma reparação, deve ter o contacto de alguém especializado.

Leia ainda: O que nunca deve fazer com o seu fundo de emergência

Pagamento de impostos

Além do valor da casa, conte com o pagamento de impostos. Não só na aquisição, mas também ao longo do tempo. Se o valor da casa for bastante elevado, pode também ter de pagar o Adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (AIMI). Por exemplo, se o seu património imobiliário rondar os 800 mil euros, vai ter de pagar 1400 euros por ano, só em AIMI. No entanto, existem formas de reduzir ou até mesmo de evitar este imposto. Se optar por tributação conjunta, então só paga AIMI (se o valor patrimonial tributário exceder os 1,2 milhões de euros). Caso contrário, e se falarmos de um casal de proprietários, fica isento do pagamento do imposto.

Avaliar se pode viver na casa de férias após reformar-se

Ao comprar a sua casa de férias, deve avaliar se é uma opção onde pode viver, confortavelmente, após a reforma. Caso contrário, mais cedo ou mais tarde, vai ter de vender a casa e procurar outra que vá de encontro às suas necessidades após reformar-se. Por isso, antes de se comprometer, avalie a possível valorização que essa casa pode ter na altura em que prevê vender. Além disso, tenha especial atenção à existência de escadas, banheira e outros aspetos de difícil acesso para idosos.

Família (casal de adultos mais três crianças) a passear na praia à beira mar

Leia ainda: Leia ainda: Vai comprar casa? Conheça todos os custos, papéis e impostos!

Arrendar para rentabilizar o esforço financeiro

Por vezes, a compra de casa para segunda habitação tem como intuito o arrendamento, de forma a rentabilizar o esforço financeiro inicial. No entanto, prepare-se para diversos desafios. Por exemplo, deve certificar-se que a limpeza é realizada antes de um novo inquilino entrar na casa. Caso surja alguma situação, deve ter alguém que possa ajudar. Além disso, deve também ter em consideração que, infelizmente, podem acontecer roubos ou danificarem a sua casa. Se estiver longe da sua casa de férias, estas situações são bastante difíceis de controlar, além de ficarem dispendiosas.

Ainda que tenha confiança que consegue rentabilizar o seu investimento através do arrendamento, saiba que nem sempre são "favas contadas". Por isso, antes de avançar com o negócio da compra da sua casa de férias, certifique-se que consegue pagá-la, mesmo que o arrendamento não corra como o esperado.

Leia ainda: Tenho uma casa que quero arrendar, o que devo ter em consideração?

Não descuidar as poupanças após a compra

Tendo em conta que a compra de uma casa de férias geralmente requer um investimento avultado, não deve descuidar as poupanças após a aquisição. Especialmente, se ainda estiver a pagar a sua primeira habitação e contrair um novo crédito para pagar a sua casa de férias. A somar, este seu sonho não deve comprometer ou hipotecar os seus objetivos financeiros a longo prazo. Seja poupar para a sua reforma, futuras despesas com propinas dos seus filhos, entre outras situações.

Manutenção da casa de férias

Tal como em quase tudo, também estas casas necessitam de manutenção. No entanto, muitas vezes, os compradores acabam por subestimar os custos de manter uma habitação. Aspetos como o estado do telhado, a pintura exterior e isolamento devem ser considerados antes de fazer qualquer negócio. Especialmente se a sua futura casa de férias se situar perto da praia. Estes casos, geralmente, requerem uma manutenção frequente e, consequentemente, mais cara.

Leia ainda: Comprar casa aos 30: Será que tem as condições para dar este passo?

Desgaste de passar férias no mesmo local

Quando a sua casa de férias já não for novidade, será que ainda vai querer passar férias no mesmo local? Esta é uma das perguntas às quais deve conseguir responder. Se não pretende ficar "preso" a um só local, então a opção de comprar uma casa deve ser reconsiderada. Isto, porque vai "empatar" dinheiro em algo que não vai usufruir durante muito tempo. Porém, se realmente adora o local e não prevê deixar de passar férias no local escolhido, a compra de uma casa torna-se uma boa opção.

Escolher uma boa localização

Naturalmente, a localização é uma das chaves para o sucesso. Encontrar um bom local para a sua casa de férias deve ser uma prioridade, não só numa perspetiva de valorização, mas também pelos acessos e comodidades de que pode usufruir (transportes, locais de entretenimento, entre outros). Embora uma casa mais longe do centro e, consequentemente mais barata, possa inicialmente ser mais apelativa, ao final de algum tempo vai ter de enfrentar limitações. Sendo uma casa de férias, o mais provável é não querer perder muito tempo em deslocações, de forma a aproveitar o seu período de descanso. Por isso, privilegiar a localização acaba por ser um bom investimento, embora possa "obrigar" a um sacrifício inicial superior.

Leia ainda: Quer vender a sua casa? 8 dicas para fechar negócio com sucesso

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe uma resposta

Insira o seu nome

Insira um email válido