Bem-estar

A relação entre dinheiro e bem-estar emocional

Descubra como o dinheiro impacta o seu bem-estar, se de facto lhe traz felicidade e ainda três estratégias para gerir emoções desafiantes.

Apesar de parecer evidente a relação entre dinheiro e bem-estar emocional, a verdade é que, muitas vezes esquecemo-nos de alguns princípios fundamentais nesta relação. Princípios que nos remetem para a Teoria da Hierarquia das Necessidades de Abraham Maslow, cujo objetivo é explicar a motivação centrada no conceito de autorrealização. Esta teoria é representada por uma pirâmide com cinco níveis de necessidades humanas, agregadas e organizadas numa hierarquia de importância.

As necessidades dos níveis de base - fisiológicas e de segurança - constituem necessidades primárias que podem ser satisfeitas externamente, por exemplo, através do contexto organizacional e das condições de trabalho em que o indivíduo se encontra.

As necessidades dos três níveis seguintes – sociais, autoestima e autorrealização – constituem necessidades secundárias e são aquelas que se satisfazem internamente, ou seja, pela vontade e características intrínsecas ao próprio indivíduo.

Pirâmide das necessidades de Maslow, com identificação dos vários níveis de necessidades humanas: Fisiológicas, segurança, sociais, autoestima e autorealização

De acordo com esta teoria, quando o nível mais inferior de necessidades se encontra satisfeito, o indivíduo deixa de se sentir motivado e passa então a preocupar-se em satisfazer as necessidades do nível seguinte.

Ora, as necessidades fisiológicas, que se encontram na base, incluem a alimentação, a habitação ou o conforto e podem ser satisfeitas essencialmente através do salário e de métodos de trabalho eficientes. Seguem-se as necessidades de segurança que implicam estabilidade e proteção no trabalho, possíveis de satisfazer através de vínculos contratuais, políticas de antiguidade ou seguros de saúde.

Então pode-se verificar uma relação direta entre o dinheiro e a satisfação em geral, no sentido em que o dinheiro tem um papel fundamental para assegurar as nossas necessidades primárias que nos trazem conforto e proteção.

Leia ainda: Poupança que gera poupança

Será que o dinheiro traz mesmo felicidade?

Apesar de se verificar esta relação direta entre o dinheiro e a satisfação das necessidades primárias, quando esse nível de satisfação é atingido e o indivíduo pretende desenvolver o nível de necessidades superior, o dinheiro já não é relevante porque trata-se de necessidades cuja satisfação é intrínseca, logo desenvolve-se no interior do indivíduo.

É seguro dizer que, a partir do momento em que satisfaço as necessidades fisiológicas e de segurança, o dinheiro não me vai tornar mais feliz, apesar de existir essa perceção.

Aliás, estudos conduzidos por investigadores na área da psicologia positiva, mostram que a nossa perceção de como nos vamos sentir quando alcançarmos determinado objetivo, como, por exemplo, ter muito dinheiro, é muitas vezes enviesada pela interpretação incorreta que fazemos da realidade. Ou seja, aquilo que pensamos que nos vai fazer felizes, na realidade, não nos traz felicidade.

Então é preciso ganhar consciência acerca do papel que o dinheiro tem na nossa hierarquia de necessidades e porque impacta de forma tão relevante o nosso bem-estar emocional.

Se estiver a passar por dificuldades financeiras, que ameaçam as suas necessidades básicas de sobrevivência e de preservação, é normal que comecem a surgir emoções como preocupação, ansiedade, angústia e medo.

Para conseguir gerir estas emoções existem três estratégias que pode adotar.

Leia ainda: 8 dicas de poupança com a saúde que deve considerar

1. Cultive uma mentalidade positiva

Está cientificamente provado que os pensamentos têm um poder altamente influenciador na nossa qualidade de vida. Os pensamentos geram sentimentos, os sentimentos geram comportamentos e os comportamentos geram resultados.

Ao ter pensamentos em que coloca o foco na preocupação de ficar sem dinheiro ou no medo de ficar sem o seu trabalho e perder a subsistência, vai gerar uma espiral de sentimentos e comportamentos que vão atrair esse tipo de situações para a sua vida. Para transformar esses pensamentos, coloque a atenção nas possibilidades e naquilo que tem neste momento e pelo qual está grato.

Pode estar numa situação de redução de vencimento e redução do horário de trabalho. Encare como uma oportunidade para aprender novas competências, explorar outras atividades que lhe deem prazer e que, talvez até possam gerar uma fonte de rendimento extra.

Mude a sua mentalidade, comece a adotar pensamentos positivos e pratique a gratidão por aquilo que tem.

2. Implemente novos hábitos

Faça uma análise rigorosa ao seu orçamento e descubra quais são as rubricas em que despende dinheiro que não são essenciais para as suas necessidades primárias. Faça uma soma de todo esse dinheiro e comece a colocá-lo à parte numa poupança.

Existem várias técnicas que podem ajudá-lo a ganhar o hábito de poupar, antes de gastar. Precisa, sobretudo, de ter consciência que está a amealhar para o seu futuro, ou para uma eventualidade precária, assegurando a sua saúde mental.

Ter um bom pé de meia para circunstâncias inesperadas, como uma redução de vencimento originada por uma pandemia, vai dar-lhe o conforto financeiro e tranquilidade mental para ultrapassar os desafios que daí advêm.

Leia mais: Desafios de poupança: Descubra quais são os mais populares e se são boas soluções para aumentar a sua poupança

3. Aprenda a gerir o seu dinheiro

O medo é altamente paralisador, por isso, se sabe que o seu bem-estar emocional depende de ter segurança financeira, aprenda tudo o que for necessário para fazer uma boa gestão do seu dinheiro. Desenvolva a sua literacia financeira. Leia livros, faça cursos, procure aconselhamento com especialistas e, sobretudo, analise as suas finanças para traçar metas financeiras realistas e possíveis de alcançar.

Em resumo, o dinheiro pode não trazer felicidade, mas traz possibilidades, conforto e segurança. E estes aspetos são fundamentais para o seu bem-estar emocional.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)