O crédito, tal como o dinheiro, faz parte da economia e da vida das famílias portuguesas. A Dica do Doutor diz-lhe como gerir o crédito para aproveitar as suas vantagens sem cair em sobre-endividamento.  

Na economia há dois grandes componentes que andam de mãos dadas: o dinheiro e o crédito. Ambos fazem parte da vida das famílias portuguesas. O dinheiro é o rendimento disponível mensal que pode ser utilizado como troca de produtos e serviços. O crédito também serve como dinheiro, mas há uma dívida, um pagamento ainda a ser concretizado. 

A falta de rendimento no momento, o desejo de obter algo e a facilidade de ter algo com «suaves» pagamentos mensais faz com que as pessoas utilizem crédito para pagar todo o tipo de serviços, desde equipamentos, artigos de decoração, obras, viagens, entre outros.

O crédito pessoal é um crédito com acesso facilitado no atual ciclo económico, mas com as taxas de juro mais altas, o que acaba por levar mais famílias ao sobre-endividamento quando se acumulam créditos de várias naturezas. 

A Dica do Doutor sugere que utilize o crédito de forma cuidada e também planeada. Este é um bom momento para rever os seus créditos e aproveitar as boas condições do mercado. 

Aconselhamos os nossos leitores a olharem para o mercado de crédito e a tirarem partido do mesmo, para melhorarem a sua vida financeira. 

Ao olharmos para o mercado de crédito atual, vemos que está de boa saúde e em crescimento. As financeiras e os bancos têm maior liquidez e querem captar mais clientes e depósitos. Cada vez mais vemos campanhas de publicidade de encorajamento ao crédito. As taxas de juro também têm descido, fruto das taxas de usura declaradas pelo Banco de Portugal, da liquidez dos Bancos e por forma a estimular o crescimento da economia. 

Não deve olhar para as campanhas de marketing como incentivo ao consumo. Pelo contrário, deve aproveitar que o crédito está mais facilitado e mais barato para rever os seus créditos e poder poupar. 

Se tem dois ou três créditos contratualizados durante o período de crise, é possível que as taxas de juro sejam superiores às que se praticam atualmente. Assim, pode fazer um crédito consolidado para juntar todos os créditos, baixar a taxa de juro e poupar dinheiro. Ao alterar as condições do contrato, poderá juntar todas as prestações numa só, baixar a taxa de juro e pagar menos de prestação mensal pela mesma dívida. 

O objetivo de aproveitar as condições do mercado é pagar a dívida que tem com o mínimo de juro possível e não aumentar o seu endividamento. Poderá ganhar folga financeira com um juro mais baixo. Assim, planear a sua vida financeira passa também por gerir os créditos que tem e perceber quanto está a pagar pelos mesmos atualmente. 

Por último, para melhor gerir as suas prestações de crédito siga estas dicas: 

  • Para despesas de cartão de crédito, escolha a modalidade a 100% – desta forma não incorrerá em pagamento de juros, não terá dívida e pode ainda usufruir de alguns benefícios extra pela sua utilização; 
  • Para crédito de determinada finalidade, consulte as taxas de usura que são atualizadas pelo Banco de Portugal a cada trimestre; 
  • Se o crédito está mais barato, pense em consolidar; 
  • Para o crédito habitação, a melhor forma de poupar é transferir o seu crédito habitação para poder usufruir de melhores spreads. Contacte-nos para o podermos ajudar. 

Utilize o seu conhecimento em finanças pessoais e sobre o mercado económico para poder tirar proveito do mesmo.

Gerir o orçamento familiar passa por verificar as despesas que tem e usar as ferramentas disponíveis para poder poupar e equilibrar a sua vida financeira. Consulte-nos para que, gratuitamente, o possamos ajudar.