Finanças pessoais

Subsídio de Natal: O que fazer com o dinheiro extra?

Já sabe o que fazer com o subsídio de Natal? Liquide dívidas ou reforce o seu fundo de emergência para ter um 2023 mais descansado.

Finanças pessoais

Subsídio de Natal: O que fazer com o dinheiro extra?

Já sabe o que fazer com o subsídio de Natal? Liquide dívidas ou reforce o seu fundo de emergência para ter um 2023 mais descansado.

O subsídio de Natal está a chegar e pode ser tentador gastar grande parte do dinheiro em presentes para a família e amigos. Mas será uma boa decisão? Provavelmente não, e numa altura em que o custo de vida está a subir, talvez seja altura de pensar, de forma ponderada, o que vai fazer com o dinheiro extra.

Divida o subsídio de Natal em duas partes

Terá, certamente, prendas para oferecer este Natal, e se calhar até vai fazer a ceia em sua casa, por isso uma parte do seu subsídio será destinado a ter o melhor Natal possível. A estes gastos, pode destinar metade do seu dinheiro extra.

A outra metade deverá destinar ao seu futuro, ou seja, a poupar ou a liquidar créditos. E, nessa parte, vamos tentar dar-lhe uma ajuda.

Mas comecemos pela metade do subsídio destinada a esta época festiva.

O que fazer com a metade destinada ao Natal?

Pense bem antes de comprar as prendas de Natal

A oferta nesta época é muita e as marcas e comerciantes tentam convencer-nos a gastar este valor extra que recebemos. E claro, as promoções e descontos são chamativos. Mas lembre-se que, se o objetivo deles é vender, o seu é comprar e gastar o menos possível e de forma racional. Por isso não caia em tentações e não se deixe enganar.

Faça uma lista das compras de Natal

Faça uma lista das pessoas a quem vai oferecer um presente neste Natal. E à frente de cada nome a(s) prenda(s) que lhe pensa dar. Se já sabe o que quer comprar, antes de ir às lojas físicas pesquise o preço dos artigos na internet. Assim não se deixará enganar pelo chamariz das promoções.

Se não sabe o que vai dar, dê uma volta pelas lojas para ter ideias. Mas não ceda a compras por impulso. Comprar porque é a última unidade ou porque tem um desconto muito grande pode não ser o mais acertado. Pense e compre de forma racional.

Igualmente importante é não fazer as compras com o cartão de crédito. Acabará por gastar mais do que tem planeado. Use dinheiro físico. É a melhor maneira de controlar o que está a gastar.

Leia também: Promoções em brinquedos antes do Natal? Como evitar gastar mais do que queria

O que fazer com a outra metade?

A outra metade será para si, mas não para gastar em compras. Será para ajudar a sua situação financeira.

E poderá fazê-lo de várias maneiras:

Amortize ou liquide dívidas

Este é seguramente um bom destino para o seu subsídio de Natal e pode fazê-lo de duas maneiras

Liquide a dívida do seu cartão de crédito

Se não tem o pagamento da dívida do seu cartão de crédito a 100%, já reparou que está a pagar juros elevados pelo valor que passa de um mês para o outro? E talvez até já tenha reparado que a taxa de juro que lhe é aplicada é superior à fixada trimestralmente pelo Banco de Portugal (veja aqui). A razão é simples, esta taxa aplica-se aos novos cartões, e se o seu cartão for antigo, a taxa de juro pode ser maior.

Assim, se tem um dívida no cartão de crédito aproveite este valor extra para o liquidar. Será, certamente, um alívio nos próximos meses. E claro, deixe de usar o cartão de crédito nas suas compras e mude para a modalidade de pagamento a 100%.

Amortize ou liquide créditos

Se tem um crédito pessoal, aproveite o subsídio de Natal para o liquidar (ou amortizar).

Esse tipo de crédito tem uma taxa de juro alta e um prazo curto, o que faz com que a prestação possa ter um peso significativo no seu orçamento mensal.

Se o conseguir liquidar é menos um encargo mensal, o que significa que, no próximo ano, terá um “aumento” no seu rendimento disponível. Se não conseguir liquidar, pelo menos amortize parte do seu valor para reduzir a prestação.

Constitua ou reforce o seu fundo de emergência

Ter um fundo de emergência é essencial. Significa poder ser o seu próprio banco. Isto é, se precisar de dinheiro numa emergência, não terá de pedir crédito ou usar o cartão de crédito.

O fundo de emergência deverá ser igual a seis meses do seu rendimento mensal (o ideal será mesmo que seja de 12 meses) e destina-se primordialmente a dar resposta a situações inesperadas, como desemprego ou doença. Com estes dinheiro de parte, conseguirá cobrir as suas despesas enquanto procura uma solução.

Mas também se destina a fazer face a outros gastos imprevistos como o arranjo do seu automóvel ou a substituição de um eletrodoméstico que se avariou. Tendo um fundo de emergência, poderá retirar o valor que precisa. Mas depois lembre-se que terá de repor.

Leia também: Fundo de emergência: Como construir sem desequilibrar o orçamento

Poupe para a reforma

Se pensa que é muito novo para pensar na reforma, está enganado. Com a perspetiva de que as reformas serão muito mais baixas que o seu rendimento atual, o melhor será começar já a investir em produtos de poupança destinados à reforma, como por exemplo os PPR, para que a possa gozar tranquilamente. Será certamente um bom destino para o seu subsídio de Natal.

Leia também: Poupar para a reforma: Porque deve fazê-lo e como cumprir este objetivo

Reforce as suas poupanças

Mesmo que não queira investir em produtos para a reforma, pense em investir parte do seu subsídio de Natal noutros produtos de poupança.

Lembre-se que ter o dinheiro na conta à ordem significa estar a perder dinheiro. Com a subida da inflação, o seu dinheiro parado desvaloriza todos os dias.

Veja que depósitos a prazo estão a ser comercializados pelos bancos, mas considere também os produtos de poupança do Estado como os Certificados de Aforro e os Certificados do Tesouro, com taxas de juro atrativas e capital garantido.

Compre o que andou a namorar durante todo o ano

Falámos até agora em poupar, investir ou reduzir dívidas, mas talvez tenha pensado noutro destino para o subsídio de Natal. Redecorar a casa, comprar aquele eletrodoméstico que precisa, fazer uma escapadinha de fim de ano.

Claro. Estas são outras opções possíveis onde gastar parte do seu subsídio de Natal. E muito válidas. O importante mesmo é que aproveite da melhor maneira este dinheiro extra.

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.