Utilidades

Carros eléctricos: compensam no abastecimento?

Conheça mais sobre os carros elétricos e o impacto na poupança no que toca ao abastecimento.

Patrícia Neves Patrícia Neves , 10 Dezembro 2019

As alterações climáticas são umas das, senão a maior, preocupação deste século. E isso reflete-se no setor automóvel com a crescente aposta em carros elétricos. Se até aqui pouca importância se dava a conceitos como reciclar e reutilizar, hoje em dia cada vez mais se difundem ideologias de poupança, de evitar o desperdício e, acima de tudo, de utilização de artigos mais amigos do ambiente. 

Por isso, já existem diversas formas de mobilidade mais ecológicas, movidas a energias renováveis. É o caso dos automóveis elétricos. Os primeiros surgiram em Portugal timidamente. Mas atualmente, pelo menos nas grandes cidades, já é comum encontrar este tipo de carros. 

O futuro, dizem os especialistas, passa por veículos elétricos. Por isso, as grandes empresas do setor automóvel têm vindo a investir, cada vez mais, neste tipo de tecnologia. 

O grande desafio para os portugueses continua a ser o valor de compra. Apesar da existência de incentivos da parte do Estado, estes carros continuam a ser mais caros do que um automóvel convencional. Quem possui este tipo de veículo atesta que o investimento inicial acaba por compensar, uma vez que os “abastecimentos” são mais baratos e que os carros elétricos não necessitam de tantas visitas à oficina. Será mesmo assim? Como se pode poupar no abastecimento destes carros? Fique a saber mais neste artigo.

Como funcionam os carros eléctricos?

Um carro elétrico é um tipo de automóvel movido a energia elétrica. Essa energia é armazenada em baterias recarregáveis, e impulsionada por um motor igualmente elétrico. São veículos com zero emissões, ou seja, não produzem substâncias poluidoras do ambiente, ao contrário dos carros a gasóleo ou gasolina. Também são muito mais silenciosos, diminuindo o nível de ruído numa localidade. 

Carro electrico a ser carregado_4

Como é feito o abastecimento dos carros elétricos?

Desde os automóveis a gasóleo ou gasolina que estamos habituados a nos deslocarmos a uma bomba de gasolina ou estação de serviço para colocar combustível. E com os carros elétricos? Como se carregam? Basta ligá-los a uma tomada como quem carrega o telemóvel? Bem, é mais ou menos isso. Apenas precisa de um adaptador apropriado. Há duas formas de abastecer os carros elétricos: em casa, ou fora de casa, nos postos de abastecimento públicos. 

Em casa

Para quem possui uma garagem ou vive numa vivenda e tem condições para tal, o carregamento em casa é o mais cómodo e simples. Existem três opções:

  • Carregamento através de uma tomada doméstica convencional;
  • Através de uma wallbox, um posto de carregamento doméstico;
  • Utilização de um sistema de produção de energia com painéis fotovoltaicos.

As opções mais comuns são as duas primeiras e estas diferem essencialmente no tempo de carregamento. Isto porque carregar um carro elétrico numa tomada convencional é muito demorado. Dependendo da capacidade da bateria (quanto maior, mais tempo demora a carregar), um carregamento total poderá ir de 8 a 12 horas. Por essa razão, muitas pessoas estão a optar pela instalação das wallboxes, já que conseguem reduzir o tempo de carregamento em 80%. Estas wallboxes são pontos fixos de recarregar veículos elétricos e, em Portugal, podem ser adquiridas através da EDP. A empresa oferece duas modalidades: aluguer da wallbox (12,90€/mês) ou compra do equipamento (649€)

De qualquer das formas, não há nada mais conveniente do que chegar a casa ao final do dia, colocar o carro a carregar e não ter que fazer mais nada. Enquanto descansa, a bateria fica a carregar. 

Nos postos de abastecimento públicos

Carro eléctrico a ser carregado

Se não tiver condições para carregar o seu carro em casa, pode utilizar os postos de abastecimento públicos. 

Há uma rede pública de carregamento conhecida como Rede MOBI.E gerida pela entidade que lhe dá nome. Esta rede possui postos espalhados por todas as cidades, quer na via pública como em centros comerciais, e a tendência é aumentar cada vez mais. Atualmente, entre Portugal Continental e a Região Autónoma da Madeira somam-se 1250 postos de carregamento.

Para poder utilizar estes tipos de abastecimento, é necessário, em primeiro lugar, aderir a um CEME (Comercializador de Electricidade para a Mobilidade Elétrica). Existem vários operadores e a lista pode ser consultada na própria página da MOBI.E.

A rede possui postos de dois tipos: Postos de carregamento normal (PCN) e Postos de carregamento rápido (PCR). Pode utilizar qualquer um dos dois, sendo que no segundo o carregamento será sempre mais rápido, daí a vantagem. O preço é igualmente diferente. A utilização dos PCR tem um custo associado, e a partir de 1 de setembro de 2019, o abastecimento em alguns dos PCN também deixa de ser gratuita. O preçário foi disponibilizado pela MOBI.E e está em vigor pelo menos até ao final de setembro.

Uma boa dica para todos os utilizadores de veículos elétricos é o Waze. A conhecida aplicação de GPS disponibiliza informação sobre a rede de postos públicos, incluindo o valor. Basta pesquisar por PCE (posto de abastecimento elétrico), PCN (posto de abastecimento normal) ou PCR (posto de abastecimento rápido) para facilmente encontrar os postos mais perto de onde se encontra. 

No caso dos carros elétricos TESLA, os seus utilizadores possuem uma rede “exclusiva” de postos quer de carregamento rápido como normal. 

Carros elétricos serão sinónimo de poupança?

Só compensa se carregar o carro em casa? Ou mesmo utilizando os PCR é possível poupar em relação a um veículo tradicional?

Vamos então a contas. Se pretende saber quanto lhe custará carregar a bateria do seu carro em casa, primeiro precisa de saber qual é a capacidade da bateria. Quanto maior for a autonomia de um carro, maior será a bateria. Assim, quanto maior a bateria, mais tempo precisa para a carregar. 

Sabendo a capacidade da bateria e o valor por kWh do seu operador de energia, facilmente chega ao valor de uma carga completa. Basta multiplicar os dois. Ou seja, imagine que a bateria do seu automóvel é de 40 kWh. Pegando no valor médio do kWh em Portugal em 2018 (segundo os dados do Pordata), 0,22€ e multiplicando os dois valores (40 x 0,22€) chegamos a um total de 8,8€, ou seja, ao valor que lhe custaria recarregar a bateria do seu carro. 

Mas não se fixe muito neste valor, até porque com os Planos de Energia Mobilidade oferecidos pelos Operadores de Energia em Portugal, consegue valores por kWh muito mais competitivos. Nestes planos, as tarifas são geralmente bi ou tri-horária possibilitando ao utilizador carregar o carro durante as horas de vazio, altura em que o kWh é mais barato. Portanto, este valor de 0,22€ / kWh apresentado acima é meramente indicativo. O melhor é consultar os diferentes planos oferecidos pelos fornecedores de energia elétrica e aproveitar possíveis promoções e descontos. 

Veja quanto pode poupar e qual o tipo de abastecimento mais económico

Para entender melhor a poupança que poderá significar adquirir um carro elétrico consulte as tabelas abaixo. Os dados são da Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos (UVE) e apresentam o custo para percorrer 100 Km num carro de consumo médio, contrapondo os valores entre um veículo elétrico, um a gasóleo e um a gasolina. 

Na primeira tabela apresentamos os valores referentes a um automóvel tradicional, a gásoleo e gasolina.

Tipo de carroPreço médio do l de combustível Consumo médio por 100 kmCusto médio para percorrer 100 km
Motor a gasolina 1,56 € 7 l / 100 km 10,92 €
Motor a gasóleo 1,42 € 6 l / 100 km 8,52 €

Nestes casos, o custo médio para percorrer 100 km varia entre 8,52€, num carro a gasóleo e 10,92€ num carro a gasolina. 

Agora, apresentamos o custo para percorrer os mesmos 100 km num carro elétrico e como esse preço varia consoante o tipo de abastecimento que faz. 

Tipo de carregamento Preço médio do kWh Consumo médio por 100 km Custo médio para percorrer 100 km
Carregamento rápido (PCR) 0,40 € 15 kWh/100 km 6 €
Carregamento em casa tarifa simples 0,18 € 15 kWh/100 km 2,70 €
Carregamento em casa tarifa bi-horária (vazio) 0,11 € 15 kWh/100 km 1,65 €

A diferença de valores é notória. Mesmo se utilizar os PCR fica mais económico a utilização de carros elétricos. Conforme as tabelas acima, se para fazer 100 km num carro a gasóleo gasta em média 8,52€, num veículo a eletricidade, carregado num PCR (opção de carregamento mais cara) esses mesmos 100 km ficam a 6€, portanto, tem uma poupança de 2€. 

Este, obviamente é o pior cenário. A opção mais económica é o carregamento em casa com uma tarifa bi-horária. 

Assim, os dados mostram-nos que, a longo prazo, conseguiremos retorno do investimento inicial. Relembramos também que existem alguns incentivos para quem decidir adquirir um automóvel elétrico, tais como o apoio à compra no valor de 3000€, a isenção do IUC (Imposto Único de Circulação) e vantagens ao nível do valor de estacionamento. 

Avaliar a sua situação e disponibilidade financeira para perceber se faz sentido investir num carro elétrico. Faça as contas e equacione não só o investimento inicial, como a poupança que pode conseguir ao longo dos meses.

Leia ainda: Carro próprio ou Uber? Qual o mais rentável?

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)