Finanças pessoais

7 dicas de poupança para jovens com o primeiro emprego

Se começou o seu primeiro emprego, parabéns! Partilhamos algumas dicas de poupança para jovens que tenha um vida financeira mais saudável.

Márcio Fontes Márcio Fontes , 6 Dezembro 2019

No que diz respeito a poupança e investimentos, todos sabemos que quanto mais cedo começar melhor. A potencialidade dos juros compostos é imensa, sendo que a quantia amealhada e investida será tanto maior quanto mais cedo começar, especialmente se estiver na casa dos 20.

No entanto, muitas vezes cedemos a alguns "mimos" e o relógio não pára, daí ser necessário mantermos o foco para conseguirmos transformar algo que parece uma utopia numa oportunidade.

Fique com 8 dicas de poupança para jovens com o primeiro emprego.

Fazer um orçamento e definir estratégias de poupança

É sempre complicado mantermos o foco na poupança, visto que muitas vezes a satisfação pessoal acaba por dominar as nossas atitudes.

No entanto, para conseguir maximizar o seu dinheiro para investir, fazer um orçamento das suas despesas torna-se essencial por diversas razões. Esta dica tem um grande impacto ao longo do tempo, especialmente se tivermos como objetivo apostar em produtos de investimento de longo prazo.

Ao fazer um orçamento, irá aperceber-se de alguns gastos desnecessários que tem mensalmente e imediatamente irá tentar arranjar soluções para diminuir esses gastos ou, na melhor das hipóteses, eliminá-los por completo

Com esta medida irá criar hábitos e sobretudo disciplina não só nos seus gastos, mas também na forma como olha para o seu dinheiro.

Definir objetivos e metas de poupança

Uma boa forma de manter o foco é definindo objetivos e metas que sejam tangíveis, de modo a que esteja sempre motivado e saber que está no caminho certo. Sendo assim, definir por exemplo um objetivo anual de poupança é um bom princípio.

Se preferir pode definir objetivos mensais, embora por vezes seja bastante complicado cumpri-los sempre devido a despesas inesperadas, podendo afetar a sua motivação e, consequentemente, levar à perda do foco.

Outra possibilidade é automaticamente transferir uma certa percentagem do seu rendimento para uma conta poupança, ou arredondar automaticamente uma despesa sua, sendo a diferença depositada numa conta poupança. Por exemplo, se tiver uma conta de 5.40€, arredonda para 6€ e 0.60€ são automaticamente transferidos para a sua conta poupança.

Como pode ver, aos poucos sem se dar conta estará a poupar e a contribuir para os objetivos que traçou.

Ler mais: Como fazer um fundo de emergência

Amortizar créditos que tenha

Muitas vezes não encaramos uma amortização antecipada de um crédito como um bom investimento, visto que à primeira vista parece que estamos a deitar dinheiro fora e que não o vamos ver no futuro. No entanto, isso não é verdade - muito pelo contrário.

Ao amortizar antecipadamente um crédito, quer parcial ou totalmente, está a diminuir significativamente os juros que está a pagar todos os meses. Isto pode valer-lhe milhares de euros!

Além disso, ao amortizar um crédito irá sentir-se muito mais descansado e reduzir a pressão sobre si próprio, visto que é menos um encargo que tem de suportar todos os meses. Mas lembre-se: não ceda à tentação de se livrar de um encargo para se meter noutro.

No entanto, ao amortizar um crédito tenha em atenção que também existem certas comissões associadas. Independentemente desses custos, uma amortização é geralmente um bom investimento.

Cartão-de-crédito-portátil

Pagar-se a si primeiro para poupar e depois investir

Como não poderia deixar de ser, a poupança vem em primeiro lugar. Para começar a investir precisa de ter dinheiro e para ter dinheiro precisa de poupar. Parece simples, não é?

Na verdade, poupança acaba mais por ser um estilo de vida, ao invés de uma atitude solitária. Isto significa que o ato de poupar não é tão complicado quanto se faz crer.

Existem variadas formas de poupar, desde as compras do supermercado até às contas relacionadas com a saúde ou formação. Nem sempre é fácil, mas não deixa de ser possível caso tenha um plano bem definido e os objetivos que pretende atingir no futuro.

Poupar é como fazer exercício: o importante é começar a fazê-lo. Tendo já este hábito, eis o passo seguinte: o investimento.

Um dos maiores passos para maximizar as suas poupanças de modo a rentabilizar os seus investimentos é, sem margem para dúvidas, pagar-se a si primeiro.

Mais do que saber esta "regra", é muito importante que a cumpra, especialmente quando é jovem. Ao invés de gerir todo o seu rendimento e só depois poupar o que resta, deve começar logo por retirar parte do seu rendimento para poupança e só depois gerir o que resta.

Estas quantias que por vezes podem parecer simbólicas tornam-se muito rapidamente em grandes quantias que fariam toda a diferença quando aplicadas em produtos de investimento de longo prazo, tirando partido dos juros compostos.

Além disso, a capacidade de poupança enquanto jovem é imensa, visto que geralmente os encargos e despesas são bastante menores. Nem todos os casos isto se verifica, mas não deixa de ser uma boa abordagem definir uma percentagem de poupança "à cabeça" (ex.: 15%), por muito que a mesma seja utópica. Com isto estará a forçar-se a ser contido nos seus gastos, sendo algo essencial para não ceder ao próximo ponto.

Pensar um PPR

Uma boa alternativa para começar a investir desde cedo é subscrever um PPR. Este tipo de produtos financeiros permite-lhe usufruir dos juros compostos ao longo dos anos, como também tirar partido dos benefícios fiscais inerentes ao mesmo. Se já constituiu um fundo de emergência para situações inesperadas, esta hipótese pode ser interessante.

Por exemplo, se investir 2000€ por ano no seu PPR durante 40 anos, com uma TANL média de 2% ao ano, poderá contar com 120.000€ no final desse período, quando na verdade só investiu 78.000€. Uma diferença de 42.000€ só em juros compostos!

Tenha atenção que mobilizações antecipadas sem cumprir determinados requisitos poderão ter custos associados. Como tal, encare este tipo de produtos como algo que não deve ser mobilizado e que poderá usufruir na reforma, e não como um produto que lhe fará ficar rico da noite para o dia.

Não cometer o erro de aumentar o estilo de vida

Ao mesmo tempo que a sua vida profissional melhora e os seus rendimentos mensais aumentam, tal não deve influenciar o seu estilo de vida. Um dos segredos para uma vida financeiramente estável e próspera é manter-se frugal, independentemente dos valores que aufere mensalmente.

Um aumento no estilo de vida leva a que muitas vezes esqueçamos a poupança e investimentos, distorcendo o nosso foco inicial para satisfazer o nosso ego. Não deixe que um desejo do momento comprometa os seus objetivos de longo prazo, que lhe poderão satisfazer desejos bem mais ambiciosos.

É certo que a vida deve ser aproveitada ao máximo, mas será que não estará a fazê-lo na mesma, só que de uma forma mais inteligente?

Ser paciente

Finalmente, a parte mais complicada de investir é, sem dúvida, ser paciente. Por vezes é necessário não fazer nada e simplesmente poupar para não serem tomadas decisões erradas ou precipitadas, porque nem sempre existem boas oportunidades de investimento, especialmente quando se vive em tempos de pura especulação. Como alguém diria, nem todos os dias são bons dias.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)