Finanças pessoais

Incêndio em casa do vizinho? Pode ter de acionar o seu seguro

Em caso de incêndio em casa do vizinho terá de acionar o seu seguro multirriscos. O do vizinho não cobre os danos da sua casa

Finanças pessoais

Incêndio em casa do vizinho? Pode ter de acionar o seu seguro

Em caso de incêndio em casa do vizinho terá de acionar o seu seguro multirriscos. O do vizinho não cobre os danos da sua casa

Se ocorrer um incêndio em casa do vizinho e tiver danos na sua casa, ou apenas nas partes comuns, não estará a fazer conta de acionar o seu seguro. Mas pode não ser assim. Tudo depende dos seguros que estiverem ativos. Isto é, depende dos seguros que todos os condóminos no prédio tenham contratado, incluindo o condomínio.

Ainda assim, mesmo que tenha de acionar o seu seguro, este não será agravado.

Como o seguro de incêndio é obrigatório se viver numa fração de um imóvel em propriedade horizontal ou tiver comprado a sua casa com crédito habitação, tem de fazer um seguro de incêndio ou um seguro multirriscos com cobertura de incêndio.

Seguro de incêndio em prédio de propriedade horizontal é obrigatório

O seguro de incêndio, que cobre o risco de danos causados no imóvel por um incêndio, segundo a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), é obrigatório em imóveis em regime de propriedade horizontal. E deve cobrir a fração autónoma e as partes comuns. Isto quer dizer que se contratar um seguro multirriscos invididual (da sua fração) temde acionar em caso de incêndio em casa do vizinho. Pois o seguro do seu vizinho não cobre os danos que ocorrerem em sua casa.

Pode contratar o seguro de incêndio através da modalidade de “Incêndio e elementos da natureza” ou pode incluí-lo num seguro mais abrangente como o seguro multirriscos no qual pode contratar um conjunto adicional de coberturas facultativas como danos no imóvel por inundações ou o mesmo seu recheio

O que são elementos da natureza?

O seguro de incêndio, como é conhecido engloba também os denominados "fenómenos da natureza". Ou seja, queda de raio, explosão ou outro acidente semelhante, mesmo que não seja acompanhado de incêndio, daí que a sua denominação completa seja” incêndio e elementos da natureza”

Quando devo fazer o seguro?

Em termos legais apenas é obrigatório para as frações em propriedade horizontal, e se não o fizer, e pelo valor aprovado em reunião de condomínio, este terá de o contratar por si, cobrando-lhe depois o respetivo valor.

Também no caso de comprar o imóvel com recurso a crédito habitação lhe será exigido pela instituição financeira, independentemente do tipo de imóvel que comprar (fração ou moradia).

Mesmo que compre uma moradia sem recurso a crédito habitação, deve contratar o seguro. Em caso de sinistro, o seguro (que até tem sempre um prémio acessível) cobre a totalidade dos danos (a menos que tenham sido provocados deliberadamente). E se existirem danos pessoais que impliquem o pagamento de indemnizações ou pensões vitalícias estas também serão pagas pelo seguro. Caso contrário todos os custos serão seus.  

Leia ainda: Guia de seguros: O que precisa de saber para se proteger

Três peças de domino a cair para cima de moedas e casa de madeira a simbolizar casa destruída protegida por seguro multirriscos

Seguro multirriscos individual ou seguro de grupo?

Se vive num apartamento vale mais ter um seguro individual por fração, ou deverá optar por um seguro coletivo, de todas as frações? E o que acontece de ocorrer um incêndio na casa do vizinho? O que cobrem os seguros individuais? E os seguro de grupo, ou seja, o seguro do condomínio?

Aqui a resposta não é única, já que varia em cada imóvel. Depende da opção de cada condómino e no caso da existirem frações adquiridas com recurso a crédito habitação.

Leia ainda: Porque pago mais pelo seguro multirriscos que conhecidos meus?

Cenário 1: todas as frações têm seguros multirriscos individuais

Se todas as frações têm seguros individuais estas devem cobrir as respetivas frações e as partes comuns. Neste caso, o seguro do condomínio apenas cobre as zonas comuns do edifício.

Lembre-se, o seguro é obrigatório e todos os anos tem de entregar uma cópia da apólice do seu seguro ao administrador do condomínio que verificará se está ativo, cobre as partes comuns e se está feito pelo valor por metro quadrado aprovado pela assembleia de condóminos.

Em caso de incêndio na casa do vizinho este acionará o seu seguro para cobrir os seus danos e as partes comuns e todos os outros condóminos devem acionar os respetivos seguros para cobrir os danos nas respetivas frações e nas partes comuns. Isto porque estes seguros não cobrem danos nas casas vizinhas.

O seguro do condomínio também será acionado sendo que será este que coordenará as reparações nas partes comuns, pelo que cada condómino terá de entregar ao condomínio o valor que receber do respetivos seguro.

Embora tenham de acionar os seguros individuais, o prémio dos seguros de condómino afetados não serão agravados.

Cenário 2: um seguro multirriscos de condomínio, sem seguros multirriscos individuais

Se a opção tomada por todos os condóminos for a de ter um único seguro este o condomínio, deve fazer a sua contratação. Este irá garantir todo o edifício (frações e partes comuns), incluindo a sua fração bem como a dos restantes condóminos. O prémio do seguro comum será pago por todos em função da permilagem de cada fração.

Por isso, em caso de ocorrer um incêndio na casa do vizinho não tem de se preocupar, a administração do condomínio tem de tratar de tudo.

Cenário 3: um seguro multirriscos do condomínio e com seguros multirriscos individuais

Esta é a terceira opção possível. Alguns condóminos têm seguros multirriscos individuais por opção ou porque tendo crédito habitação a isso estão obrigados pela instituição financeira. Outros optam por entrar num seguro comum (que normalmente tem um prémio menor).

Esta é por isso uma opção mista, sendo que quem tem apólices individuais tem de anualmente entregar uma cópia da mesma ao administrador do condomínio.

Em caso de incêndio na casa do vizinho, quem tem apólice individual tem de a acionar. Mas quem entra na apólice comum nada terá de fazer.

Leia ainda: Seguros: Teve um sinistro? Conheça os seus direitos e obrigações

Está a pagar em duplicado pela mesma cobertura?

Se tem um seguro multirriscos individual e sabe que o condomínio tem um seguro, será que não está a pagar pela mesma cobertura?

Mesmo que o valor do seguro comum não esteja discriminado pode estar a pagá-lo dentro do valor do condomínio e se ambos cobrirem a sua fração, se forem acionados em simultâneo pelo mesmo sinistro, não receberá o valor devido em duplicado. Assim, se está a pagar os dois estará a incorrer em custos desnecessários.

Logo, o primeiro passo é pedir uma cópia da apólice do seguro de condomínio ao administrador do condomínio. Analise as coberturas e exceções que constam das condições gerais e particulares. Se cobrirem a sua fração, analise atentamente o mesmo no seguro que contratou. Se estiverem duplicadas estará a pagar sem benefícios futuros.

Tem então duas opções: cancelar o seu e mantém apenas a sua participação no comum, ou decidir mantê-lo, optando por segurar apenas danos causados por outros sinistros (como inundações) o recheio da casa, já que o seguro multirriscos condomínio não inclui o recheio das frações

Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.