Crédito

Como acautelar a subida dos juros e poupar

Os juros estão a subir. Se tem créditos indexados à Euribor, deve começar a preparar-se para um cenário de menos margem financeira.

Crédito

Como acautelar a subida dos juros e poupar

Os juros estão a subir. Se tem créditos indexados à Euribor, deve começar a preparar-se para um cenário de menos margem financeira.

Com a inflação a subir, o cenário de um aumento das taxas de juro está na ordem do dia. Apesar de as taxas de juro terem um comportamento gradual e não subirem de forma repentina, o aumento terá impacto na Euribor. E é a esta taxa que está indexada a maioria dos créditos habitação em Portugal.  

Os créditos habitação em regime de taxa de juro variável estão sujeitos à flutuação da Euribor. A oscilação faz com que a prestação suba ou desça, em linha com aquela flutuação. 

Pode consultar esta tabela com as médias mensais da Euribor e recorrer à Calculadora de Prestação de Crédito Habitação do Doutor Finanças para fazer contas e perceber o impacto da Euribor na prestação do seu empréstimo.  

Mas atenção. Uma subida das taxas de juro não se fará sentir apenas no crédito habitação, mas em todos os créditos indexados à Euribor. Isto significa que - a menos garanta um aumento no seu rendimento -, o orçamento mensal disponível será necessariamente menor. Por isso, é fundamental começar a preparar-se para um cenário de menor facilidade e margem financeira.  

Assim, o primeiro passo a dar é calcular a sua taxa de esforço. Ou seja, o peso que os créditos que tem em mãos tem no seu orçamento mensal. Se apenas tem um crédito habitação, a sua taxa de esforço não deve ir além dos 30%. Já se tiver mais créditos, a totalidade dos encargos mensais não deve ultrapassar os 50%.   

Leia ainda: Como é calculada a Euribor e que impacto tem no crédito habitação?

Rever despesas mensais 

Para ganhar alguma folga orçamental, deve rever todas suas despesas mensais. Pegue num papel e numa caneta, use uma folha de Excel ou até uma aplicação móvel, e aponte todos os seus rendimentos e todas as suas despesas mensais, até mesmo as despesas mais pequenas. Este é o momento para perceber onde pode cortar.    

Pode começar pelos gastos considerados supérfluos. E se há despesas que parecem não pesar muito no orçamento mensal, a verdade é que no final do ano a fatura pode ser elevada.    

Por outro lado, existem despesas que não pode cortar, como por exemplo, a fatura da eletricidade, da água ou das telecomunicações. Nestes casos pode mudar alguns hábitos em casa para tentar reduzir valor da fatura mensal, bem como rever e renegociar os seus contratos.  

Se tem seguros, deve fazer o mesmo. Analise as suas necessidades e analise o que tem contratado. Depois, peça simulações a outras seguradoras. Pode conseguir melhores condições para a sua carteira.  

Video Thumbnail
ícone do formato do post

Leia ainda: Não consegue poupar? 7 dicas para gerir o seu orçamento familiar

Renegociar condições do crédito habitação 

Para acautelar a subida dos juros, pode também rever as condições do seu contrato de crédito habitação. Pode fazê-lo junto do seu banco ou instituição financeira onde contraiu os créditos.   

Uma vez que o crédito habitação é aquele que, regra geral, pesa mais no orçamento, a sua renegociação pode traduzir-se numa prestação mensal mais baixa, o que o fará poupar. Pode questionar todas as condições ao seu banco: das taxas de juro, spread aos seguros que tem contratados.   

ícone do formato do post video
Crédito
TAN e TAEG: Saiba que diferenças separam estas duas taxas
Ler mais

Se a sua situação permitir, verifique junto da instituição se é possível reduzir o spread. Imagine que paga uma taxa de juro (spread+indexante) de 2%, associado a uma dívida de 100 mil euros, com 360 meses ainda em falta. A redução da taxa para 1,5% provoca, neste caso, uma redução da prestação de quase 25 euros. Use a Calculadora de Prestação de Crédito Habitação do Doutor Finanças para fazer as contas.  

No caso da revisão dos contratos de seguros relacionados com a casa – vida e multirriscos -, é determinante rever as condições associadas, por um lado o que está incluído no seguro pode já não fazer sentido, por outro, o valor do prémio poderá descer consoante o capital em dívida. 

Transferir o crédito habitação 

Pode ainda pedir analisar o mercado e pedir propostas à concorrência. Se lhe oferecerem melhores condições noutra instituição pode transferir o seu crédito. Reduzir a prestação mensal do crédito habitação é possível, nomeadamente através da transferência de crédito. E dependendo de cada caso, pode ser uma oportunidade interessante para obter melhores condições.

Repare no seguinte exemplo: tem um financiamento de 100 mil euros, com uma taxa de juro (spread+ Indexante) de 1,5%, e que ainda tem cerca de 20 anos (260 meses) para terminar o contrato de crédito. Neste caso, a sua prestação ronda os 450 euros. A revisão da taxa para 1,1% reduz a prestação em mais de 18 euros. Ao longo de um ano são mais de 200 euros que ficam na sua conta.  

Faça simulações da sua situação. Para tal, pode recorrer à Calculadora de Transferência de Crédito Habitação do Doutor Finanças e ver qual pode ser a redução dos seus encargos.    

Leia ainda: Tudo o que precisa saber sobre a transferência do crédito habitação

Consolidar créditos para poupar 

Se tem vários créditos, como por exemplo, um crédito automóvel, um crédito que fez para a compra de algum aparelho eletrónico e ainda cartões de crédito, é natural que o total de todas as prestações pese no seu orçamento. Também aqui pode poupar e aliviar os encargos mensais.  

O crédito consolidado é uma solução financeira que permite juntar vários créditos num só, com melhores condições e uma única prestação mensal mais baixa. Sendo que, a taxa de juro do crédito consolidado é, em regra, mais baixa do que a média das taxas de juros de todos os créditos que tinha anteriormente. Esta opção vai dar-lhe mais folga orçamental.   

O valor da poupança vai depender sempre do caso em concreto. Mas é possível reduzir os encargos de forma considerável. 

Leia ainda: O crédito consolidado não é só para sobreendividados

Faz sentido mudar para taxa fixa? 

Existem vários regimes de taxa de juro no que diz respeito ao crédito: variável, fixa e mista.  

Como o nome indica, a taxa variável varia ao longo do prazo do contrato do crédito habitação. Neste caso, a taxa de juro do empréstimo resulta da soma de duas componentes: o spread – que é definido pelo banco – e o indexante ou taxa de referência, mais conhecido por Euribor.   

Já a taxa de juro fixa mantém-se igual durante todo o prazo dos empréstimos. Esta taxa é definida pelo banco ou instituição de crédito, tendo em conta fatores como o risco de crédito do cliente, o rácio entre o valor do empréstimo e o valor do imóvel - designado por loan-to-value (LTV) -, as garantias do cliente e o risco de fixação da taxa de juro durante o prazo estabelecido. Em condições normais do mercado, a prestação de um crédito a taxa fixa é mais elevada do que a prestação indexada à Euribor

O regime de taxa de juro mista permite ao cliente ter uma taxa fixa durante um período inicial – 5, 10 ou 15 anos, a definir com o banco – e, posteriormente, uma taxa variável. 

Devo mudar para taxa fixa no crédito habitação?
Ler mais

Os contratos de crédito associados a uma taxa fixa não sofrem qualquer impacto com a evolução das taxas Euribor. Ou seja, a prestação que tinham no ano passado será a mesma que vão ter daqui a um ano, independentemente de o Banco Central Europeu (BCE) decidir subir juros ou não. 

Saiba, no entanto, que as subidas da Euribor não serão bruscas, uma vez que, por regra, as alterações são implementadas de forma progressiva. Mas se a taxa de inflação continuar em níveis elevados, o BCE provavelmente vai ter de atuar. O que terá impacto nas prestações dos contratos de financiamento indexados a uma taxa variável.  

Contudo, importa ressalvar que não existem respostas certas a esta questão, uma vez que a solução ideal difere de perfil para perfil. Nos últimos anos compensou mais ter o crédito associado à taxa variável porque a Euribor esteve (e continua a estar) em valores negativos.

Assim sendo, antes de tomar qualquer decisão deve responder a algumas questões: O que é preferível para a sua situação financeira? Pagar mais agora e contar com estabilidade no futuro, ou pagar menos neste momento e arriscar pagar mais depois?  

A casa é para viver o resto da vida ou pretende mudar nos próximos anos? É que para terminar o contrato de crédito antes do período combinado inicialmente terá de pagar uma comissão por reembolso antecipado. E esta comissão é mais elevada para os créditos a taxa fixa.   

As respostas a estas questões podem ajudá-lo a tomar uma decisão mais consciente e ajustada ao seu caso.   

Video Thumbnail
ícone do formato do post
Partilhe este artigo
Artigos Relacionados
Ver todos
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais
Deixe o seu comentário

Indique o seu nome

Insira um e-mail válido

Um comentário em “Como acautelar a subida dos juros e poupar
Fique a par das novidades

Receba uma seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser para receber a seleção de artigos que escolhemos para si.

Ative as notificações do browser
Obrigado pela subscrição

Queremos ajudá-lo a gerir melhor a saúde da sua carteira.

Não fique de fora

Esta seleção de artigos vai ajudá-lo a gerir melhor a sua saúde financeira.