Vida e família

7 formas de se preparar para a reforma

Os especialistas estimam que, em 2070, a idade da reforma esteja situada perto dos 70 anos. Saiba neste artigo como se pode preparar para a sua chegada.

Lídia Dias Lídia Dias , 19 Junho 2019

Já pensou que é possível chegar à idade da reforma e a sua reforma não ser proporcional ao que descontou, ao longo dos anos? Esta é, talvez, a questão que mais preocupa os portugueses. O envelhecimento da população, aliado à redução da taxa de natalidade, pode colocar em causa tanto a idade mínima como os valores de pensão de reforma.

Os especialistas estimam que, em 2070, a idade da reforma esteja situada perto dos 70 anos. No entanto, existem várias estratégias de poupança e investimento que pode adotar desde já e garantir uma maior estabilidade, no futuro.

Conheça as 7 propostas do Doutor Finanças para preparar a reforma:

Ajustar o orçamento mensal 

Nenhum investimento ou poupança é possível sem uma gestão cuidada e atenta do orçamento mensal. Reduzir os gastos e poupar o máximo possível ao final do mês deve ser a regra. Pequenos gestos de poupança (como, por exemplo, levar mais vezes o almoço de casa para o escritório) podem ter um grande impacto no seu futuro e na forma como se prepara para a reforma.

Depois de analisar quais os pequenos gestos que lhe permitem poupar mais dinheiro, porque não direcionar este montante para uma conta poupança? Pode inclusive aceder ao homebanking do seu banco, definir um montante e programar um reforço automático da poupança todos os meses.

Reduzir os créditos e dívidas  

À medida que a idade da reforma se aproxima, é aconselhável ir reduzindo o número de encargos financeiros. Temos boas e más notícias: há encargos que, obviamente, nunca conseguirá eliminar (as faturas da luz, da água e dos gás nunca deixarão de chegar). No entanto, pode começar já a reduzir o número de créditos e dívidas.

Uma das soluções disponíveis, se possui vários créditos (habitação, pessoal, automóvel, entre outros) é optar pela consolidação dos créditos. Na prática, isto quer dizer que irá juntar todos os seus créditos num só crédito com melhores condições e uma redução mensal das prestações de até 60%.

À medida que o tempo avança, deve ponderar também a amortização de dívidas e créditos. As poupanças que foi juntando ou os rendimentos extraordinários (como, por exemplo, o subsídio de férias) poderão permitir-lhe a redução da dívida, para que chegue à idade da reforma sem créditos por pagar.

É também nesta fase que deve aplicar a regra de pagar a pronto. Exceto para situações muito específicas, deve optar sempre por pagar as suas compras a pronto, para evitar acumular créditos que se irão estender ao longo de anos.

Garantir rendimentos extra 

Garantir diversas fontes de rendimento é o segredo para manter uma vida financeira saudável. Procure garantir rendimentos extra através de atividades que sejam complementares à sua atividade profissional. O arrendamento imobiliário, por exemplo, pode ser uma opção. Se tiver oportunidade de investir num imóvel para arrendar ou transformar em alojamento local, estará a garantir uma fonte de rendimento extra (afinal, o mercado imobiliário está cada vez mais concorrido).

Fazer um Plano Poupança Reforma (PPR)

Os Planos de Poupança Reforma (PPR) são a escolha mais comum entre os portugueses para assegurar a reforma. Trata-se de um tipo de produto financeiro que promove a poupança a longo prazo e que prevê uma entrega regular de um montante para posterior utilização. Este tipo de produto financeiro pode ter juros mais ou menos elevados, dependendo do nível de risco associado. Existem várias opções no mercado, com vários níveis de risco.

Um PPR apresenta uma grande desvantagem: a reduzida flexibilidade de movimentação, uma vez que o titular só poderá movimentar o montante quando atingir a idade da reforma ou em situações muito específicas. No entanto, pode trazer benefícios fiscais e taxas de juro interessantes.

Ler ainda: Saiba como escolher o seu PPR 

Escolher um fundo de investimento

Os fundos de investimento também são uma boa opção para fazer crescer as suas poupanças. Embora tenham algum risco associado, os fundos de investimento têm, geralmente, um bom retorno. Deverá consultar um intermediário para o aconselhar e analisar convenientemente as condições dos fundos para avaliar o risco e as vantagens, bem como para fazer obrigatoriamente o seu perfil de investidor.

Constituir seguros de capitalização 

Os seguros de capitalização são produtos financeiros geridos por companhias de seguro. Poderíamos dizer que se se assimilam a seguros de vida mas, na verdade, não visam prever o risco financeiro de morte, mas sim constituir uma poupança através de entregas regulares ou de uma única entrega.

Embora se assemelhem muito a depósitos financeiros, os seguros de capitalização têm características muito próprias. A sua taxa de juro é garantida e pode, em alguns casos, acrescer de uma componente variável relacionada com os lucros da seguradora. Trata-se de um produto financeiro muito atraente para perfis de investimento com baixa tolerância ao risco, uma vez que, na sua grande maioria, são produtos de capital garantido (ou seja, não existe risco de perda de capitais).

Diversificar a carteira de investimento 

Seja qual for a opção escolhida, não se esqueça que a chave do sucesso financeiro é diversificar as opções. Ou seja, não deve colocar todo o dinheiro no mesmo produto financeiro, sob pena de ter um grande prejuízo.

Também não deve investir todo o dinheiro que tem disponível. Deverá sempre reservar um montante na conta à ordem para fácil acesso em caso de imprevistos. Não se esqueça de que alguns produtos financeiros de investimento não permitem (ou penalizam) a mobilização antecipada dos mesmos.

Aconselha-se e adeqúe o nível de risco dos investimentos ao seu estádio de vida. À medida que vamos envelhecendo, vamos acumulando mais encargos financeiros (o crédito automóvel, o crédito habitação, a escola dos filhos,etc). Como tal, também se torna mais difícil recuperar em caso de perda de capitais num produto financeiro com risco elevado. O ideal é que se tome atitudes de investimento mais agressivas durante uma fase preliminar da idade adulta e vá reduzindo o nível de risco à medida que os anos passam.

Ninguém consegue prever o futuro, mas prepararmo-nos financeiramente para o que está para vir pode ser fundamental para manter a qualidade de vida. Ainda que a idade da reforma ainda lhe pareça distante, nunca é cedo demais para começar a poupar!

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #como gerir a reforma,
  • #reforma,
  • #reforma em portugal

Deixar uma resposta