Impostos

Guia para a entrega do IRS em 2021

Quem pode beneficiar do IRS automático, entregar a declaração em conjunto ou em separado, como declarar mais-valias e muito mais. Neste guia, ajudamos a esclarecer algumas dúvidas que frequentemente surgem neste período.

A entrega da declaração de rendimentos referentes a 2020 decorre entre 1 de abril e 30 de junho. Uma grande parte dos contabilistas aconselha a não entregar a declaração logo nos primeiros dias, uma vez que a plataforma pode ainda sofrer algum tipo de melhorias.  

No entanto, quanto mais cedo entregar a declaração de IRS, mais cedo receberá a nota de liquidação e o valor a acertar - se for esse o caso. 

Para preencher a declaração de IRS, o primeiro passo é aceder ao Portal das Finanças. De seguida, deve clicar no botão onde diz “IRS”. Depois pode optar pela declaração tradicional ou pelo IRS automático. Neste último, a declaração vem já preenchida, sendo apenas necessário confirmar os dados. 

Se reunir as condições elegíveis para escolher o IRS automático, deve selecionar a opção “Confirmar Declaração” e verificar se todos os dados estão corretos. Após a confirmação dos dados, deve verificar a simulação e submeter aquela que lhe for mais favorável. 

Se não for o caso, se precisar de corrigir ou acrescentar alguma informação, deve escolher a entrega manual da declaração - através do Modelo 3 - e seguir os passos mencionados no Portal.  

Existem 12 anexos que podem ser apresentados na declaração de rendimentos. Os mais habituais são o anexo A, referente aos rendimentos do trabalho, e o anexo H, relativo aos benefícios fiscais e deduções. Mas há outros, menos recorrentes, que deve conhecer: 

A – Trabalho dependente e pensões; 

B – Rendimentos da categoria B – Regime Simplificado / Ato Isolado; 

C – Rendimentos da categoria B – Regime Contabilidade Organizada; 

D – Transparência fiscal – imputação de rendimentos; Herança indivisa – imputação de rendimentos; 

E – Rendimentos de capitais; 

F – Rendimentos Prediais; 

G – Mais-valias e outros incrementos patrimoniais; 

G1 – Mais-valias não tributadas; 

H – Benefícios fiscais e deduções; 

I – Rendimentos de Herança Indivisa; 

J – Rendimentos obtidos no estrangeiro; 

L – Residente não habitual. 

Neste guia, vamos ajudá-lo a esclarecer algumas dúvidas que frequentemente surgem neste período. 

  1. Quem pode beneficiar do IRS automático?
  2. Sou trabalhador independente. Como preencho o IRS?
  3. Sou trabalhador por conta de outrem, como preencher o IRS?
  4. Sou trabalhador por conta de outrem, mas passei recibos verdes, que anexos tenho de preencher?
  5. Devo entregar a declaração de IRS em conjunto ou separado?
  6. Até quando um filho é considerado dependente?
  7. Como fica o IRS dos pais divorciados?
  8. Quem está abrangido pelo IRS Jovem?
  9. Tenho um grau de incapacidade, como identificar no IRS?
  10. Estou a receber subsídio de desemprego, tenho de declarar no IRS?
  11. Vendi uma casa. Como declarar as mais-valias?
  12. Registei mais-valias de investimentos, o que tenho de preencher?
  13. Como declaro o PPR no IRS?
  14. Herdei dinheiro, tenho de pagar impostos e declará-lo no IRS?
  15. Investi em criptomoedas, tenho de declarar?
  16. Tenho de declarar contas Revolut ou N26?

1. Quem pode beneficiar do IRS automático?

O processo automático não está disponível para todas as pessoas que tenham de declarar rendimentos. De acordo com a informação disponibilizada no Portal das Finanças, podem beneficiar do IRS automático os contribuintes que em 2020 reúnam as seguintes condições: 

  • Obtenham apenas rendimentos do trabalho dependente (categoria A) e/ou de pensões (categoria H), bem como rendimentos tributados por taxas liberatórias e não pretendam optar pelo seu englobamento quando permitido, com exclusão das gratificações não atribuídas pela entidade patronal e dos rendimentos de pensões de alimentos; 
  • Obtenham rendimentos apenas em Portugal;  
  • Sejam residentes em Portugal durante todo o ano; 
  • Não detenham o estatuto de Residente Não Habitual; 
  • Não usufruam de benefícios fiscais, com exceção dos benefícios da dedução à coleta do IRS de valores aplicados em planos de poupança reforma – PPR (capítulo II do Estatuto dos Benefícios Fiscais-EBF), dos donativos (regime fiscal do mecenato, capítulo X do EBF) e desde que não tenham dívidas em 31.12.2020 ainda por regularizar; 
  • Não tenham pagado pensões de alimentos; 
  • Não tenham direito a deduções por dependentes do agregado familiar e ascendentes que vivam em comunhão de habitação com o sujeito passivo; 
  • Não tenham de declarar valores de benefícios fiscais que usufruíram e que agora têm de repor.  

Em fevereiro deste ano, o Conselho de Ministros aprovou ainda o alargamento da declaração de IRS automática aos trabalhadores independentes que estejam inscritos na Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) para o exercício de uma atividade de prestação de serviços. 

"O universo de contribuintes é alargado aos inscritos na base de dados da Autoridade Tributária para o exercício, exclusivamente, de uma atividade de prestação de serviços prevista na tabela de atividades aprovada pela portaria a que se refere o artigo 151.º Código do IRS", pode ler-se no comunicado, assinalando, contudo, que o automatismo não vai incluir aqueles que estão inscritos na categoria de "Outros prestadores de serviços". 

Para beneficiarem da declaração, estes trabalhadores terão de estar no regime simplificado e de emitir através do Portal das Finanças as faturas, faturas-recibo e recibos no Sistema de Recibos Eletrónicos. 

2. Sou trabalhador independente. Como preencho o IRS? 

Os trabalhadores independentes também têm de submeter a declaração anual de IRS entre 1 de abril a 30 de junho. Além do Modelo 3, estes trabalhadores devem ainda preencher o anexo B, no caso de estarem sujeitos ao regime simplificado, ou o anexo C, se tiverem a contabilidade organizada, e, em alguns casos, o anexo SS.  

Leia ainda: Quem tem de preencher o Anexo SS do IRS? 

3. Sou trabalhador por conta de outrem e (ou) reformado, como preencher o IRS? 

Como trabalhador por conta de outrem, deve preencher o anexo A da declaração do IRS. Este é um dos anexos mais comummente entregues, pois refere-se aos rendimentos do trabalho dependente e das pensões.  Neste sentido, é também este anexo que os pensionistas devem preencher.

Os trabalhadores dependentes - assim como os pensionistas - têm acesso à declaração automática, pelo que só tem de confirmar se os dados estão corretos. Caso precise de retificar algum detalhe, terá de entregar a declaração manual.  

São vários os rendimentos que podem ser considerados neste Anexo. São exemplo, além dos provenientes do trabalho, abonos de família ou pensões de alimentos. 

4. Sou trabalhador por conta de outrem, mas passei recibos verdes, que anexos tenho de preencher? 

É possível exercer, em simultâneo, trabalho dependente e a recibos verdes, mas é preciso perceber que estes são dois enquadramentos fiscais diferentes e, por isso, a tributação também será diferente. 

Se combinar trabalho por conta de outrem e recibos verdes, além do anexo A, vai ter de preencher também o anexo B, referente aos rendimentos de categoria B.  

Casal a verificar faturas e a fazer contas

5. Devo entregar a declaração de IRS em conjunto ou separado? 

Para os casais, todos os anos o preenchimento do IRS levanta uma questão: fazer o IRS em conjunto ou em separado?  

A entrega em conjunto do IRS está disponível para dois grupos de contribuintes: os casados e os casais em união de facto. Na maioria das vezes compensa entregar declaração de IRS em conjunto, mas pode haver exceções. 

O Fisco disponibiliza a cada elemento do casal duas propostas: uma liquidação automática individual e outra em conjunto. Por defeito, a Autoridade Tributária assume a entrega individual do IRS. Ou seja, se optarem pela entrega em conjunto, têm de a selecionar.  

Se tiver filhos e optar por submeter a declaração em separado, os filhos podem ser distribuídos por ambas as declarações, por exemplo, para aumentar os benefícios. No caso de só haver um filho, cada progenitor declara metade das despesas do dependente ou pode adicioná-lo à declaração do elemento que tiver maiores rendimentos, porque é quem mais beneficia das deduções bonificadas. 

Saiba que todos os anos pode simular as duas opções, para perceber se é mais vantajoso entregar a declaração em conjunto ou em separado. Para isso, basta preencher a declaração e simular, através da plataforma das Finanças, as duas situações. 

Leia ainda: Declaração em conjunto ou em separado? 

6. Até quando um filho é considerado dependente?   

Para efeitos de IRS, os filhos dependentes não têm de ser menores de idade. Os filhos, adotados e enteados até aos 25 anos ainda são considerados dependentes, mesmo se já trabalharem, desde que não tenham recebido mais de 14 meses o salário mínimo nacional (635 euros em 2020). Ou seja, 8.890 euros.   

Além disso, também os maiores de idade considerados inaptos para trabalhar são dependentes para efeitos de IRS.   

A principal vantagem de incluir os filhos na declaração é aliviar o IRS do agregado familiar, contribuindo para que se pague menos imposto ou receba mais reembolso. Os dependentes conferem um desconto automático no IRS do agregado familiar. É possível deduzir um valor fixo por cada dependente. 

7. Como fica o IRS dos pais divorciados? 

No caso dos pais divorciados, os valores a deduzir podem ser partilhados ou deduzidos numa percentagem correspondente ao encargo envolvido. Contudo, irá depender do que foi estabelecido no Acordo de Regulação do Poder Parental ou por ordem judicial. 

Quando os pais têm guarda partilhada de um filho, existe a possibilidade de dividir as despesas e as deduções fixas desse dependente. 

Atualmente existe também a possibilidade de uma divisão proporcional das despesas. No caso de um dos pais estar a suportar 70% das despesas de educação e saúde, por exemplo, é possível deduzir as despesas segundo a percentagem da sua contribuição.  

Leia ainda: IRS para pais separados: O que deve saber antes de entregar a declaração 

jovem mulher num escritório a segurar um telemóvel e uma pasta de documentos

8. Quem está abrangido pelo IRS Jovem? 

O IRS Jovem permite a jovens trabalhadores aceder a um benefício de até 3.291,08 euros no IRS. Trata-se de um regime especial e é direcionado para jovens trabalhadores, que receberam os seus primeiros rendimentos de trabalho dependente. 

Podem beneficiar deste regime os jovens entre os 18 e 26 anos de idade, com ciclo de estudos nível 4 (cursos de dupla certificação que garantem a conclusão do ensino secundário e a preparação para uma profissão, como é o caso dos cursos profissionais por exemplo) ou superior concluído, com rendimento anual bruto de trabalho dependente igual ou inferior a 29.179 euros (brutos) e que já não estejam contemplados no agregado familiar dos pais. 

Os contribuintes elegíveis para o IRS Jovem devem procurar o campo específico na declaração de 2021 para se enquadrarem neste regime.  

Após a conclusão do ciclo de estudos, o jovem trabalhador pode usufruir deste benefício fiscal durante 3 anos.  

Leia ainda: IRS Jovem: o que é e a quem se aplica? 

9. Tenho um grau de incapacidade, como identificar no IRS? 

Se é portador de deficiência, no preenchimento do IRS, deve colocar essa indicação e o grau de incapacidade. Deve fazê-lo na folha de rosto do Modelo 3, no quadro 3, destinado a colocar os dados do sujeito passivo A. Contudo, para poder usufruir dos benefícios fiscais que lhe são reconhecidos enquanto portador de deficiência, tem de fazer chegar às Finanças o documento que comprova a sua incapacidade. 

É considerada uma pessoa com deficiência a nível fiscal quem apresente um grau de incapacidade permanente, comprovado por um atestado médico de incapacidade multiuso, igual ou superior a 60%. Só tendo este atestado é que pode comprovar ao Estado o grau da sua incapacidade. 

Para o obter, pode deslocar-se a uma repartição das Finanças ou fazer o pedido no Portal das Finanças, finalizando este por carta registada.  

Leia ainda: IRS de pessoas com deficiência: o que precisa saber antes de entregar a declaração 

10. Estou a receber o subsídio de desemprego, tenho de declarar no IRS? 

O subsídio de desemprego é uma prestação social, não sendo classificado como um rendimento. Este tem como objetivo “compensar a falta de remuneração motivada pela perda involuntária de emprego”.  

Assim, se durante o ano 2020 não teve quaisquer rendimentos e apenas recebeu o subsídio de desemprego, está dispensado de entregar o IRS.  

No caso de ter estado desempregado apenas uma parte do ano, a receber subsídio de desemprego, mas se conseguiu encontrar trabalho, entretanto, a situação muda, podendo ter de entregar a declaração de IRS. De realçar que esta potencial entrega da declaração refere-se apenas aos rendimentos do trabalho e nunca ao subsídio de desemprego.  

Mas nestes casos, apenas tem que entregar a declaração se ganhou mais de 8.500 euros (em salários ou pensões) ou se recebeu pensões de alimentos superiores a 4.104 euros anuais. 

11. Vendi uma casa. Como declarar as mais-valias? 

Se em 2020 vendeu uma casa, quer tenham sido geradas mais-valias ou não, tem de comunicar na declaração de IRS a entregar este ano. A venda de uma casa, mesmo que não tenha gerado lucro, tem sempre de ser declarada no IRS.  

Havendo mais-valias, estas devem ser declaradas também. O cálculo das mais-valias é complexo, por isso pode recorrer à Calculadora de Mais-Valias do Doutor Finanças para o fazer. Esta ferramenta permite fazer uma simulação das mais-valias assim como do valor do imposto a pagar, caso não esteja isento. É que parte do lucro conseguido com a venda é tributado em sede de IRS. 

Tanto a venda do imóvel como as respetivas mais-valias têm de ser declaradas no quadro 4 do anexo G da declaração de rendimentos. Neste quadro, deve identificar o titular do imóvel, a data e o valor da venda, a data e o valor da aquisição e ainda as despesas e encargos que tenha tido com a valorização do imóvel vendido, como por exemplo gastos com obras de melhoramento.    

Se tiver reinvestido o valor das mais-valias, também o deve declarar, até porque só assim consegue isenção do pagamento de imposto. Para o fazer tem de preencher o quadro 5 do mesmo anexo. Aqui deve colocar o valor e respetiva data – ou seja se o reinvestimento foi feito antes ou depois da venda. 

Existem algumas exceções que permitem a isenção de tributação das mais-valias. No entanto, mesmo estando isento, tem de declarar as mais-valias no IRS. Para isso, deve preencher o anexo G1, que é dedicado às mais-valias não tributadas

Leia ainda: Vendeu casa em 2020? Não se esqueça das mais-valias! 

12. Registei mais-valias de investimentos, o que tenho de preencher? 

Para declarar mais ou menos-valias referente a investimentos tem sempre de preencher o Anexo G do Modelo 3 da declaração de rendimentos.  

Como referido acima, os quadros 4 e 5 destinam-se à declaração das mais-valias provenientes da venda de imóveis. Consoante o tipo de mais-valia, variam os quadros que devem ser preenchidos: 

  • Quadro 6 – Este quadro do anexo G do IRS serve para declarar mais-valias relacionadas com propriedade intelectual ou industrial, ou de experiência adquirida no setor comercial, científico ou industrial; 
  • Quadro 7 – No quadro 7 pode declarar a cessão de posições contratuais ou outros direitos relativos a imóveis; 
  • Quadro 8 – O quadro 8 pode declarar a cessão de créditos ou outras prestações; 
  • Quadro 9 – Este destina-se à declaração de mais-valias associadas a ações ou outros valores mobiliários, bem como partes sociais de micro e pequenas empresas e importâncias recebidas em operações de permutas de partes sociais, fusão, ou cisão de sociedades; 
  • Quadro 10 – Apenas deve ser preenchido se optar pelo englobamento, ou quando tiver tido rendimentos de resgate de unidades de participação em fundos de investimento; 
  • Quadro 11 – Este destina-se à declaração relativa a fundos de investimento imobiliário e sociedades de investimento imobiliário; 
  • Quadro 13 – Use este quadro para declarar ganhos com derivados como futuros ou opções. 
  • Quadro 14 – Serve para declarar indemnizações e outros incrementos patrimoniais; 
  • Quadro 15 – Deve ser preenchido se quiser optar pelo englobamento dos rendimentos declarados no anexo G. Este poderá ser vantajoso em alguns casos. 

Há ainda alguns rendimentos que não precisa de declarar como mais-valias. Juros de depósitos a prazo ou dividendos de ações nacionais, por exemplo, uma vez que nestes casos há uma retenção de 28% do valor na fonte.  

Leia ainda: Declarar mais-valias no IRS: que anexo deve preencher?

13. Como declaro o PPR no IRS? 

Uma das vantagens dos PPR são as deduções no IRS. Consoante a idade do subscritor e o valor dos reforços, as deduções podem chegar aos 400 euros por ano.  

Declarar os reforços do PPR no IRS dá direito a um benefício fiscal de até 20%. Dependendo da idade, o valor máximo do benefício fiscal varia, sendo que quanto mais novo, maiores serão os benefícios. Assim, estão definidas as seguintes condições:  

  • Até aos 35 anos, pode deduzir até 400 euros, desde que aplique 2.000 euros no PPR, naquele ano;  
  • Entre os 35 e os 50 anos, pode deduzir, no máximo 350 euros, desde que aplique 1.750 euros;  
  • E a partir dos 50 anos, pode deduzir até 300 euros, desde que aplique 1.500 euros. 

Contudo, tenha em conta que se quiser resgatar o seu PPR antes do tempo, terá de devolver os benefícios fiscais até então recebidos. Além disso, será alvo de uma penalização de 10% por cada ano. 

Os reforços do PPR devem ser declarados no anexo H, referente aos benefícios fiscais e deduções. Para que tenha acesso a estas deduções, tem de preencher este anexo sempre que subscreve um PPR ou faz reforços no mesmo.  

Leia ainda: Vale a pena declarar o Plano Poupança Reforma no IRS? 

14. Herdei dinheiro, tenho de pagar impostos e declará-lo no IRS? 

Se recebeu dinheiro de uma herança em 2020, saiba que esses rendimentos não precisam de ser declarados no IRS a entregar este ano.  

Contudo, no momento em que recebe esse montante, tem de o declarar. As heranças indivisas devem ser declaradas no Modelo 1 do Imposto do Selo

Uma herança indivisa diz respeito ao património deixado pelo autor da sucessão, aceite pelos respetivos herdeiros, que ainda não foi partilhado. Cada herdeiro é tributado pela sua quota parte dos rendimentos.  

Leia ainda: O que é o Imposto do Selo? 

pc portátil com o portal das finanças no ecrã

15. Investi em criptomoedas, tenho de declarar? 

As criptomoedas têm atraído a atenção de muitas pessoas e levado a que muitos investam neste tipo de ativo. Mas, e em termos de IRS? Os rendimentos obtidos deste tipo de investimento têm de ser declarados? Na verdade, atualmente não existe legislação específica sobre ativos digitais. 

Existem, sim, dois despachos onde a Autoridade Tributária se pronunciou sobre a tributação e enquadramento das criptomoedas. 

Assim, caso não exerça uma atividade profissional ou empresarial onde existe a compra e venda habitual de criptomoedas, os rendimentos com este ativo não se enquadram em nenhuma das categorias previstas no Código do IRS, pelo que não ficam sujeitos a tributação. Ou seja, se tiver alguns rendimentos com criptomoedas, como investimento e não a nível profissional, não precisa de declarar os mesmos no seu IRS, nem pagará IRS sobre os mesmos. 

Contudo, de realçar que é preciso guardar os comprovativos destas transações. Isto porque o Fisco poderá questionar a proveniência de alguns rendimentos identificados e, terá de fazer prova da sua origem. 

Leia ainda: Rendimentos com criptomoedas no IRS: O que diz a legislação 

16. Tenho de declarar contas Revolut ou N26? 

É comum haver dúvidas sobre a obrigação de declarar no IRS contas associadas a entidades digitais. E a resposta não é igual para todas as entidades. Tudo depende do facto de a entidade em causa operar ou não em Portugal com base numa licença bancária. 

Assim, se tem conta na Revolut não tem de a declarar no IRS. Isto porque a Revolut não opera em Portugal ao abrigo de uma licença bancária, sendo as respetivas contas consideradas contas de pagamento e não contas de depósito. De realçar que esta "condição" precisa de ser validada anualmente, uma vez que a Revolut pode começar a atuar com base na licença bancária europeia que obteve em 2018. Já no caso de ter conta aberta nobanco digital alemão N26, no Openbank (do Santander) ou no Bunq, tem de declarar, mesmo que a conta esteja a zeros. Segundo a lei portuguesa, todas as contas de depósito ou títulos em território estrangeiro devem ser declaradas, independentemente do valor depositado

A declaração destas contas deve ser feita através do preenchimento do quadro 11 do anexo J da declaração de rendimentos Modelo 3.

Leia ainda: Devo declarar a minha conta do Revolut ou N26 no IRS? 

Confirme e simule cenários

Antes de submeter a declaração, retifique todos os dados e simule os vários cenários que se podem aplicar ao seu caso.  

Se no final das contas o Estado tiver de lhe devolver dinheiro, a data em que recebe o reembolso vai depender da data em que submeteu a sua declaração de IRS. Ainda assim, o Estado tem até ao dia 31 de julho para reembolsar os contribuintes, contudo, por regra, quanto mais cedo entregar a declaração mais cedo recebe.  

Já os contribuintes que tenham impostos a pagar, têm até 31 de agosto para o fazer. 

Leia ainda: Declaração de IRS 2021: Não deixe passar os prazos 

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #benefícios fiscais,
  • #declaração de rendimentos,
  • #IRS,
  • #IRS automático,
  • #mais-valias,
  • #PPR,
  • #trabalhadores independentes
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixar uma resposta (Podemos demorar algum tempo até aprovar e mostrar o seu comentário)

20 comentários em “Guia para a entrega do IRS em 2021

  1. Boas tardes
    Fiz uma obra obrigatória e exigida pelos arrendatários ( fossa séptica ) que considero manutenção e beneficiação do imóvel ( alugado) .
    Queria saber se é legível para abater no IRS ?
    Agradecia resposta.
    cumprimentos

    1. Olá, José.

      À partida, sim.

      Contudo, sugiro o contacto com a Autoridade Tributária. Poderá fazê-lo através do número 217 206 707 ou através do e-balcão.

  2. Boa noite
    Quem esteve em law off 30 dias e recebeu da SS o valor de 100€ ten de declarar no irs. Mas em que anexo e alinha sff?
    Obrigado pela atenção

  3. Boa tarde,
    Terminei a licenciatura em 2017, tenho direito ao IRS Jovem?

    Cumpro o requisito da idade, de rendimentos da categoria A inferiores a € 25.075, de não ser dependente e supostamente a contabilização começa no ano seguinte ao da conclusão dos estudos (2018 portanto).
    Preenchi o quadro com o código de rendimentos 417 e identifiquei a universidade com o NIF.

    Pela interpretação que faço do documento explicativo da AT, sim.
    Contactei o centro de apoio telefónico da AT e também me disseram que sim.
    Contudo, a minha declaração foi considera com anomalias por não “cumprir os requisitos do regime fiscal IRS Jovem”.

    Podem esclarecer-me se no vosso entendimento tenho efetivamente direito a este regime? Caso sim, como posso esclarecer com a AT de forma eficaz? Apenas presencialmente numa repartição?
    Melhores cumprimentos.

    1. Olá, Beatriz.

      Nesse caso, poderá contactar a Autoridade Tributária através do e-balcão. Aqui poderá perguntar o porquê de o seu pedido para o IRS jovem não ter sido aceite e obter uma resposta por escrito.

      Poderá, em simultâneo, recorrer a uma repartição ou a um contabilista.

  4. Boa noite,

    Em agosto de 2019 vendi um imóvel que havia adquirido em dezembro 2015.
    No IRS de 2019, apresentei o Anexo G (mais valias), onde preenchi a Intenção de Reinvestir o valor da mais valia.
    De todo modo, ainda não reinvesti, e poderei fazê-lo até agosto de 2022.

    Assim, questiono se na Declaração apresentar este (2020), terei igualmente de voltar apresentar o Anexo G (Mais Valias), e preencher o “Campo 4 e 5” ??

    Obrigada

    1. Olá, Sérgio.

      Não, não tem.

      Contudo, sugiro o contacto com a Autoridade Tributária. Poderá fazê-lo através do número 217 206 707 ou através do e-balcão.

      1. Muito Obrigada pelo esclarecimento.

        E se porventura não reinvestir, no ano em que serei tributado, deverei apresentar o Anexo G (mais valias).
        Ou, deverei apresentar uma declaração de substituição relativa ao ano em que ocorreu a alienação (2019) ?

  5. Bom dia
    O meu irmão consegue usufruir de IRS Jovem?
    Ele não concluiu a licenciatura e deixou de estudar à 2 ou 3 anos, sendo que tem vindo a ter trabalhos esporádicos não trabalhando os 12 meses, ex. o ano 2019 trabalhou 4 meses.
    Obrigada

    1. Olá, Catarina.

      Poderá depender da data que teve o primeiro emprego.

      Sugiro o contacto com a Autoridade Tributária. Poderá fazê-lo através do número 217 206 707 ou através do e-balcão.

  6. Boa tarde,
    Em dezembro de 2019 mudei a minha residência para Espanha.
    No IRS de 2020 posso colocar como residente em território nacional, mesmo que no site das finanças apareça residência em Espanha?
    Obrigado

  7. Boa noite, a minha mãe recebe uma reforma no valor de 4100€ anuais, mas em dezembro arrendou uma casa, tem que fazer irs? uma vez que o valor auferido em 2020 nao chega aos 4500€, muito obrigado

    1. Olá, Andreia.

      Apenas deve entregar a declaração pessoas com rendimentos superiores a 8.500€.

      Contudo, sugiro o contacto com a Autoridade Tributária. Poderá fazê-lo através do número 217 206 707 ou através do e-balcão.

  8. Pingback: Dúvidas sobre o IRS? Este guia pode ajudar na entrega da declaração | PowerFi