Crédito Habitação

Pretende transferir o seu crédito habitação? Tenha em consideração estes aspetos!

A transferência do crédito habitação é uma solução cada vez mais procurada para conseguir poupar milhares de euros. No entanto, convém antes analisar alguns aspetos. Saiba quais neste artigo.

Adriana Cabrita Adriana Cabrita , 22 Outubro 2019

São muitos os portugueses que, no momento de comprar casa, recorrem ao crédito habitação para fazê-lo. Muitos optam por fazê-lo junto do seu próprio banco, outros procuram o banco publicitou na televisão um bom spread e outros acabam por ir ao banco que o vizinho recomendou. Seja qual for o seu caso, seja qual tenha sido a decisão que tomou, tudo é reversível. Pode fazer a transferência do seu crédito habitação mesmo depois de já ter o empréstimo numa determinada entidade bancária.

Preso a um crédito habitação
Não tem porque ficar preso ao banco onde contratou o seu crédito habitação! Pode sempre renegociar ou transferir o seu crédito habitação para outro banco que lhe apresente melhores condições.

A transferência de créditos nem sempre acontece por uma questão de necessidade. Hoje em dia, o dinheiro está mais barato e a EURIBOR está negativa, ou seja, provavelmente a taxa final que paga atualmente será superior àquela que conseguirá atualmente se transferir o seu crédito habitação. Portanto, com a mudança que economia portuguesa sofreu, pode justificar (e muito) procurar novas condições para o seu caso e poupar muitas centenas de milhares euros com a transferência do crédito habitação.   

Contudo, antes de avançar com a transferência do seu crédito habitação existem alguns aspetos importantes que deve analisar.  

Leia ainda: Tudo o que precisa saber sobre a transferência do crédito habitação

O contrato atual e as suas penalizações

Contrato de crédito habitação

Colocámos este ponto em primeiro lugar pois antes de avançar com a transferência do seu crédito habitação, deverá analisar primeiro que tudo o contrato que tem neste momento em vigor, isto para que possa perceber quais as penalizações no caso de fazer esta transferência e ainda quais os custos que tem associados ao seu crédito, como é o caso dos seguros de vida e multirriscos

Verifique também se já cumpriu o tempo mínimo que está descrito no seu contrato corrente. Segundo lei, a transferência só é possível depois de realizar os 2 primeiros anos e não pode transferir mais 90% do valor, ou seja caso tem que ter amortizado já 10% da dívida ou ter dado uma entrada para o imóvel, também ela de 10%..

Isto é tudo muito confuso? Quer poupar dores de cabeça? Recorra à ajuda de profissionais especializados, que estes vão fazer toda esta análise por si e verificar o que é mais compensatório para o seu caso.

As condições económicas e financeiras vigentes

Com o clima económico positivo que se faz sentir, existe mais facilidade em fazer a transferência do crédito habitação. Principalmente se comprou casa nos últimos anos (sensivelmente nos últimos 10 anos), dado que os bancos nessa altura tinham menor liquidez e faziam empréstimos com spreads mais elevados. Na altura, o dinheiro estava mais caro, era escasso, emprestava-se menos e havia uma maior taxa de incumprimento. Com falta de confiança no pagamento e com os bancos com menos dinheiro, a lei da procura e da oferta ditava as regras, emprestando-se assim mais caro.  

Hoje em dia podemos dizer que o cenário é bem diferente. O dinheiro está mais barato, logo os bancos têm mais apetência para conceder crédito e com melhores condições. 

Leia ainda: Com o crédito mais barato, aproveite e transfira o seu crédito habitação

A taxa de spread praticada atualmente

Tal como referido acima, há alguns anos atrás, no período da crise, os bancos estavam muito apreensivos no que dizia respeito a emprestar dinheiro e, quando o faziam, as taxas de spread eram muito elevadas e com EURIBOR a chegar a patamares de 100%. Com o fim da recessão económica e o crescente clima económico positivo que se faz sentir nos dias de hoje, os bancos passaram a conceder créditos com spreads muito mais competitivos. 

Portanto, nos dias de hoje, e dependendo do caso, pode ser bastante compensatório transferir o crédito habitação, uma vez que já conseguimos encontrar no mercado spreads na casa do 1%. Isto vai permitir-lhe poupar milhares de euros no final do seu contrato. Resumidamente, paga menos juros pelo mesmo empréstimo, poupando mensalmente na sua prestação.   

Por outro lado, para quem tem um spread abaixo dos praticados atualmente, a transferência do crédito habitação para outro banco poderá já não fazer sentido. Nestes casos em que os spreads são competitivos, a poupança poderá estar na transferência dos seguros para uma outra entidade seguradora.   

Leia ainda: Tem spread superior a 1,5%? Saiba porque está a perder muito dinheiro!

custo dos seguros associados ao crédito habitação

Tem um bom spread, mas os custos associados são elevados? O segredo pode estar, não na transferência do crédito habitação, mas sim na transferência dos seguros. Quando falamos em crédito habitação, não nos podemos esquecer que não estamos a pagar apenas o crédito propriamente dito, mas também os seguros associados a este crédito. 

Tanto o seguro de vida como o seguro multirriscos são requisitos obrigatórios exigidos pelas instituições de crédito para dar continuidade ao seu empréstimo, servindo como garantia de risco associado ao crédito habitação. Contudo, não é obrigatório ter estes seguros no banco onde tem o seu crédito habitação.

Primeiro que tudo, aconselhamos a verificar no seu contrato se existe uma perda de bonificação caso retire os seus seguros do banco onde tem a decorrer o seu crédito habitação. Com esta mudança há bancos que podem, ou não, alterar a taxa de spread.  

Leia ainda: Como poupar nos seguros associados ao crédito habitação?

Os produtos associados ao crédito habitação

Os seguros não são os únicos produtos associados ao crédito habitação. Existem outros tantos que são associados para que exista igualmente uma bonificação no spread, como pode ser o caso dos cartões de crédito, despesas de manutenção ou das contas-poupança. Podem parecer apenas detalhes, mas que podem ser suficientemente dispendiosos e uma forte justificação para transferir o seu crédito habitação. Neste caso deverá fazer contas, perceber qual o custo total que tem com estes serviços relativamente aos valores que se praticam agora. Deve ainda procurar perceber o valor do empréstimo com e sem esta bonificação. 

Como pode verificar a poupança num crédito habitação pode estar em vários lados, portanto, e se precisar, pode contar com a nossa ajuda para verificar qual a poupança possível no seu caso.   

Leia ainda: Quando fizer o seu crédito habitação, não olhe só para o spread

Os custos associados à transferência do crédito habitação

Quando decide transferir o crédito habitação do seu banco atual para outro, saiba que vai sofrer uma penalização por parte da instituição bancária onde se encontra. O valor que vai ter de pagar pelo reembolso antecipado vai variar se estamos a falar em crédito com a taxa variável ou com a taxa fixa. Conte com uma penalização de 0.5% do valor em dívida no caso de ter uma taxa variável ou de 2% no caso de ter um crédito habitação com uma taxa fixa. Segundo a lei, estes valores são fixos e não podem oscilar em nenhum dos casos.  

Na transferência do crédito habitação para outra entidade bancária, poderão existir outros custos que devem ser tomados em conta que são relativos à nova escritura, nova avaliação do imóvel, a comissão de dossier cobrada pelo banco, entre outros. Existem alguns bancos que estão dispostos a suportar estes custos de transferência, incluindo as penalizações sofridas no seu banco anterior.  

Por outro lado, saiba ainda que, no caso de não conseguir suportar estes custos, o banco para onde irá transferir o seu crédito habitação poderá fazer um novo crédito associado à transferência do crédito habitação para suportar estes custos.  

Mesmo que a transferência tenha alguns custos associados, o mais provável é que, mesmo assim, compense (e muito), uma vez que a poupança que vai obter no final do crédito é superior a qualquer gasto que possa ter agora. No entanto, tente perceber quais são as condições tanto no banco atual como naquele para onde quer transferir o seu crédito habitação e analise quanto tempo vai demorar até começar a ter benefício.  
 

E, como nunca é demais relembrar, reforçamos que apenas é possível fazer a transferência após perfazer dois anos desde que contratou o seu crédito habitação.    

Leia ainda: Taxa Fixa ou Taxa variável: o que compensa no seu crédito habitação

As suas condições pessoais e profissionais atuais

A transferência do crédito habitação é muito similar à primeira fase da aquisição do crédito. Serão lhe novamente solicitados alguns documentos, para que se possa iniciar assim o processo com o novo banco que ficará a cargo do seu crédito habitação. Como se trata de um cliente novo para o banco, também passará por uma nova avaliação das suas condições pessoais e profissionais atuais, onde a sua taxa de esforço, uma vez mais, será tida em conta.   

Isto para dizer que, após uma nova avaliação às capacidades financeiras do cliente, nem todos os processos de transferência são aprovados. Para evitar surpresas, solicite a ajuda de um profissional especializado. 

Leia ainda: Como reduzir a Taxa de Esforço para comprar casa?

O seu imóvel valorizou ou desvalorizou?

Dinheiro versus crédito habitação

Na transferência do crédito, tal como na aquisição, é feita uma nova avaliação do imóvel. Portanto, se o mesmo desvalorizou poderá significar que a avaliação é menor do que a espectável. No caso de querer avançar com a transferência porque fica com melhores condições, terá que pagar o diferencial. Como os bancos já não fazem financiamentos a 100%, deve fazer as contas e verificar se é compensatório e se tem essa disponibilidade financeira. Porque mesmo que tenha de pagar, o mais provável é que compense, uma vez que as novas condições de crédito podem resultar numa poupança muito superior comparativamente ao dinheiro que vai a nova avaliação vai acrescentar.   

Contudo, existe o outro lado da moeda. Caso a sua casa tenha valorizado, consegue aproveitar e pedir um crédito adicional e ganhar um dinheirinho extra que pode aplicar em obras, num automóvel, nos estudos dos seus filhos ou até mesmo para amortizar algum outro crédito. Reforçamos que este cenário só é possível se a avaliação da sua casa for superior ao espectável. 

Como pode transferir o seu crédito habitação? 

Se todos estes aspetos confirmam a sua vontade de transferir o seu crédito habitação, mas, o problema, é que não sabe como o fazer, não se preocupe. O Doutor Finanças, tem profissionais especializados que o podem ajudar a encontrar as melhores condições para o seu caso. Este é um serviço totalmente gratuito.

Aproveite e poupe-se em burocracias e em dores de cabeça! 

Veja ainda o vídeo do Contas-Poupança do Jornal da Noite da SIC que exemplifica caso reais de poupança com a transferência do crédito habitação:  

Partilhe este artigo
Etiquetas
  • #como poupar no crédito habitação,
  • #o que avaliar na transferência do crédito habitação,
  • #transferencia credito habitação

Deixar uma resposta